1025

18 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Edite Estrela

Opinião

AUTOR

Graça Fonseca

DATA

21.07.2015

TÓPICOS

Emprego, a causa das causas

Portugal no bom caminho, diz a coligação PSD/CDS de seu nome PAF (não, não é Programa de Assistência Financeira, mas podia ser). 

 

Em quatro anos deste Governo saíram mais de 400 mil pessoas do país, foram destruídos mais de 300 mil postos de trabalho, as contratações caíram 40%, o desemprego atinge mais de 700 mil pessoas, a taxa de desemprego jovem é cerca de 35% (Portugal é um dos quatro países da zona Euro com a taxa mais elevada), os (poucos) novos empregos criados são precários e mal remunerados (salário médio de 580 euros), metade dos trabalhadores aufere 7.700 euros/ano, 90% dos desempregados só consegue emprego com vínculo precário, 20% das pessoas vive em risco de pobreza (com 400 euros por mês).

Este é o Portugal no bom caminho da PAF. Pobreza, desemprego, precariedade. Passos Coelho disse ao que vinha logo no seu primeiro orçamento – “Portugal só sairá da crise empobrecendo”. Cumpriu a promessa de empobrecer o país; a crise, essa, ficou por cá e alastrou – crise financeira, crise económica, catástrofe social e uma perigosa crise de confiança.  

E o que propõe a PAF para os próximos quatro anos? Não sabemos bem, parece que a estratégia é tentar chegar ao dia das eleições sem programa de Governo PAF. Até lá, o que já se sabe é que vão cortar mais 600 milhões na Segurança Social e publicaram uma “carta de garantias” onde constam alguns compromissos genéricos. 

E “garantem” alguma coisa em matéria de emprego? “Garantimos que, dentro do que está ao alcance de um Governo, uma legislatura em que a redução continuada do desemprego seja a prioridade máxima. A nossa ambição é que o desemprego em Portugal, baixe, pelo menos, para a média europeia”. Fraca ambição, total ausência de ideias e propostas concretas de como enfrentar a catástrofe social que é o desemprego e a precariedade em Portugal. 

Para o PS, o emprego é a causa das causas. E não é apenas retórica vazia. O PS propõe várias medidas concretas de promoção do emprego e de combate à precariedade. Por ser particularmente simbólica de uma forma de governar que, ao contrário do Governo PAF, não tem por base a estratégia de uns contra os outros – idosos contra jovens, reformados contra trabalhadores – é de destacar o programa de apoio ao emprego jovem “Contrato Geração”. Esta é uma medida que, em simultâneo, apoia as reformas a tempo parcial e incentiva a contratação de jovens desempregados. Com o “Contrato Geração” promove-se a permanência no mercado de trabalho dos trabalhadores mais próximos da idade da reforma, ao mesmo tempo que se promove a renovação geracional das empresas.

Com a coligação PAF, Portugal andou para trás várias décadas.  

Portugal para a frente, só com o PS!

 

AUTOR

Graça Fonseca

DATA

21.07.2015

TÓPICOS
Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019