886

14 Dez 2018

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Sugestão
Uma leitura para férias - À espera de Moby Dick de Nuno Amado
AUTOR

PS

DATA

31.07.2015

FOTOGRAFIA

PS

Uma leitura para férias - À espera de Moby Dick de Nuno Amado

UMA SUGESTÃO DE MARIA JOSÉ LEITÃO

 

Se vai de férias para os Açores, leve na mala este romance epistolar de um jovem autor português. E porquê? Porque, através de cartas a um amigo, o narrador fala da sua vida numa enseada pacata e recôndita dos Açores, onde não falta o chá, o "chuviscar lá fora", o som do mar - "se um dia se calasse, eu ia sentir a falta dele, pois o silêncio que se seguiria soaria a gemido" - , a esperança de avistar baleias e também " a visão mais surreal " de "dezenas de baleias-piloto estendidas à beira-mar", a presença de tipos como o pescador, o biólogo marinho, o mergulhador, o surfista,... enfim, toda uma atmosfera envolvente e mágica que é um apelo à fruição das ilhas e ao desejo de se deixar "afetar" pelo Atlântico.

Mas, se vai partir para férias e o seu destino não é uma ilha açoriana, leve também este livro que retrata a busca de alguém que se isola, não para romper com os outros, mas para se encontrar e encontrar uma saída para a dor "depois de aquilo-que-aconteceu". E não são as férias aquele momento de encontro privilegiado connosco próprios, que não exclui a "necessidade de toque humano" para superar o vazio?

À espera de Moby Dick é uma narrativa aliciante que se vai construindo em fragmentos, ao longo de cartas dirigidas na sua maioria ao "melhor amigo" mas também a outros destinatários - alguns deles surpreendentes -, onde desfilam personagens aparentemente simples, sem história, que a pouco e pouco vão revelando os seus dilemas e dramas. E o mistério que os vizinhos do narrador guardam ciosamente, adensado pelo inesperado de situações e pela estranheza de certas atitudes, contribui para alimentar o suspense e a curiosidade do leitor.

Um romance fresco e otimista, profundo e pleno de sensibilidade, que mostra que "a vida urge", embora não possamos regressar a quem fomos, estar de novo onde estivemos, amar o que amámos". Nas cartas perpassam descrições e reflexões suscitadas por experiências do dia a dia, por paragens tão distantes dos Açores como Praga ou Florença, por encontros que provam que "a vida é "como um filme ininterrupto que nos esforçamos por parar".

Mensagem de fé na determinação, coragem e resistência do ser humano, evidenciada no simbolismo do título - À espera de Moby Dick.

 

AUTOR

PS

DATA

31.07.2015

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1411
Maio 2018