1034

31 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Edite Estrela

Opinião

AUTOR

Edite Estrela

DATA

03.08.2015

TÓPICOS

JORNAL DE CAMPANHA

Na minha qualidade de diretora do Jornal de Campanha do PS, é com muito gosto que apresento hoje aqui o pdf do primeiro número, já impresso e a ser distribuído por todo o país. Um jornal feito a pensar nas pessoas e com a participação das pessoas. 

 

Na capa desta primeira edição, destaca-se a selfie de um divertido grupo de jovens com António Costa na praia da Figueira da Foz e anuncia-se o destaque do próximo número: a entrevista exclusiva a Fernanda Tadeu. Na rubrica "o estado a que isto chegou - o país de Passos, 4 anos depois", são referidos os números do desemprego, os oficiais e os reais. Em contraponto, na página seguinte, porque para o PS o emprego é a "causa das causas", são divulgadas algumas medidas visando a criação de emprego. E, através de uma aplicação QR code (gratuita) no seu smartphone ou iPad, pode ainda o leitor aceder aos documentos "Agenda para a Década", "Cenário Macroeconómico" e "Programa Eleitoral". Nas páginas centrais, o Secretário-geral do PS responde a perguntas concretas enviadas por frequentadores das redes sociais, mais precisamente do Twitter. Na página 6, são apresentados os cabeças de lista pelos 22 círculos eleitorais e, na página 7, o "encontro de gerações" entre os dois prestigiados investigadores Alexandre Quintanilha e Tiago Brandão Rodrigues, cabeças de lista pelo Porto e por Viana do Castelo, respetivamente. Na última página, anuncia-se a grande festa da juventude socialista europeia, o Young European Socialists Summer Camp, que se realiza entre 25 e 30 de agosto, na praia de Santa Cruz, e fecha com o meu artigo de opinião:

 

CONTOS DE CRIANÇAS

A coligação de Direita é exímia em contar histórias da carochinha. Começou com a história de que “ o PS levou o país à bancarrota e chamou a troica”, omitindo propositadamente a crise internacional e distorcendo a realidade. Agora, com um despudor inaudito, a coligação anuncia a ficção “Quatro anos de credibilidade e mudança”.

Em relação à primeira narrativa, os factos revelam que a responsabilidade pela vinda da troica é da maioria parlamentar que rejeitou o PEC IV. Rejeição que provocou a desconfiança dos mercados, gerou uma subida abrupta das taxas de juro e precipitou a crise política. A atual maioria aplaudiu a vinda da troica, adotou como seu o programa da troica e até se vangloriou de “ir além da troica”. E durante quatro anos, aplicou a receita de empobrecimento dos portugueses. A classe média foi esmagada pelo aumento colossal de impostos e pela redução salarial. Os reformados e pensionistas foram lançados na penúria. As empresas públicas foram vendidas ao desbarato. Os jovens licenciados, em quem o país investiu e de quem precisa, foram obrigados a partir. O PIB recuou a níveis de 2000. O desemprego transformou-se num flagelo nacional. 

No extenso "conto de crianças" com o balanço de quatro anos de (des)governo, a coligação afirma que “a dívida pública e privada estão a descer”. Numa confusão semântica, o governo põe a “descer” o que na realidade não para de ”subir”. Em junho de 2011, a dívida pública representava 94% do PIB e agora representa 130%, ou seja, Portugal deve hoje mais 34 mil milhões de euros. No seu mundo desligado da realidade, a maioria de Direita conclui que “ o país está hoje numa condição muito diferente. Os portugueses sabem e sentem que “o país está diferente”, para pior. Por isso, só por masoquismo podem deixar-se enganar, de novo, por aqueles que tudo prometeram a nada cumpriram. O que esta maioria pode dar é mais do mesmo: austeridade, incompetência e insensibilidade social. Portugal precisa de um novo governo e de novas políticas. Os portugueses merecem um primeiro-ministro competente, com provas dadas, que fale verdade e defenda na Europa o interesse nacional. Um primeiro-ministro de confiança como António Costa.

 

AUTOR

Edite Estrela

DATA

03.08.2015

TÓPICOS
Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019