1103

06 Dez 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Edite Estrela

Opinião

AUTOR

António Correia de Campos

DATA

11.11.2015

TÓPICOS

Evaporação do centro

Um dos efeitos mais visíveis da atual crise política tem a ver com o desaparecimento do antigo centro político. Não foi de agora, mas consolidou-se ao longo dos últimos quatro anos. O governo da anterior coligação encostou-se todo à direita, num radicalismo ideológico encoberto pela capa da emergência financeira. Com o pretexto de cumprir sem discussão ditames de Bruxelas, tantas vezes absurdos e tecnicamente  errados, absorveu a cartilha de um liberalismo de pacotilha, já envelhecido pela morte lenta do estafado consenso de Washington, em que se baseiam as teses neoliberais, concebidas em algumas universidades norte-americanas e aplicadas pela dupla Thatcher-Reagan.

 

A exportação ideológica contaminou e influenciou. Contaminou a mediocridade intelectual à direita, órfã de uma ideologia decente desde o período nazi-fascista. Influenciou primeiro o pensamento económico e depois o pensamento político, conduzindo à lenta perversão da social-democracia, enfraquecido o seu paradigma que reconstruiu a Europa do pós-guerra. As tentativas de terceira via, que chegaram a ter sucesso com Clinton, acabaram por perder crédito com o desempenho condenável de Tony Blair, aquando da guerra do Iraque.

Chegaram tarde a Portugal. Tarde e recessas. Quando hoje se ouve Manuela Ferreira Leite a debater com o tonitruante Medina Carreira, compreende-se que a sua aversão ao recusado Primeiro-ministro Passos Coelho não é pessoal, mas profundamente intelectual e ideológica. Manuela pode não gostar dos socialistas, mas está mais afastada de Passos que de Costa. Porque sentiu, mais que ninguém, a perda do centro político, neste caso do centro direita, onde ela convivia com acerto com a social-democracia. O centro político foi entre nós esvaziado pela frieza e teimosia de Passos, acolitada pela permanente dissipação de valores realizada por Portas entre cada duas viagens intercontinentais.

A consequência desta conduta foi a fuga de eleitores do centro para a esquerda e até para além do PS. Setecentos e quarenta mil.

A clivagem aberta pelo governo da coligação não teve efeitos apenas à direita. Também à esquerda. A germinação do consenso contra um adversário comum, que tanto mal praticou em quatro anos, tornou-se natural. Todavia, surpreendeu. Por ser inusitada, por derrubar preconceitos de quarenta anos, por unir em vez de desunir. O PS, mais que motor, foi o recipiente de um testemunho difícil. Coube-lhe interpretar este acontecimento político, catalisar as forças desejosas de se agregarem e agarrar a oportunidade histórica. Desengane-se, pois, quem pense tratar-se de oportunismo, ou de uma longa premeditação. Nem uma coisa nem outra. Apenas a perceção de um momento único e o seu protagonismo inteligente. Esse foi o mérito de António Costa.

A duração deste insólito estado conjugado não será efémera. Porque anda associada à conduta do causador. E este, não só não dá sinais de inverter a sua conduta, como nem sequer parece ainda ter compreendido o que lhe aconteceu. Às forças que agora se uniram não vão bastar os erros dos adversários. Elas terão que construir uma nova relação, tímida de início mas pouco a pouco reforçada na ação politica. Se o conseguirem, poderão mudar o panorama político por muitos anos.

 

AUTOR

António Correia de Campos

DATA

11.11.2015

TÓPICOS
Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019