1034

31 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Fernando Medina
Cavaco Silva acabará por indigitar António Costa
AUTOR

Rui Solano de Almeida

DATA

12.11.2015

FOTOGRAFIA

TVI

Cavaco Silva acabará por indigitar António Costa

Cavaco Silva tem mostrado relutância em apressar o processo de indigitação de António Costa como primeiro-ministro, algo que “acabará por fazer”, garante Fernando Medina, no comentário que semanalmente mantém na TVI, lembrando que o Presidente da República “não tem nenhuma outra alternativa”.

 

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa defendeu ontem na TVI, que Cavaco Silva não tem hipótese de se furtar a indigitar, mais cedo do que tarde, António Costa como primeiro-ministro.

Para Fernando Medina, apesar da “contrariedade” que o Presidente da República já demonstrou pela solução governativa apresentada pelo PS e pelos partidos à sua esquerda “acabará por indigitar o líder socialista como primeiro-ministro”.

Fá-lo-á, disse Fernando Medina, “provavelmente de forma contrariada, poderá mesmo avançar com um conjunto de condições, mas não terá outra alternativa”.

Dado este passo, defendeu o autarca do PS, “será interessante” observar o que acontecerá com os dois principais blocos no Parlamento, realçando que no que respeita ao PS, António Costa, depois de indigitado, tem vários desafios pela frente.

Desde logo com a composição do Governo, que para Fernando Medina terá de ser “sólido, equilibrado e moderado”, capitalizando a experiência política com a renovação.

Um segundo desafio é saber como António Costa fará a apresentação do programa do Governo, porque será aí que os portugueses “saberão verdadeiramente qual a natureza da solução governativa encontrada” e, finalmente, defendeu ainda o comentador da TVI/24, o desafio que se colocará em relação ao Orçamento do Estado, por que é preciso saber, disse, da sua “compatibilização com as regras europeias”, se é também um orçamento reformista, ao mesmo tempo se é ou não claro na afirmação dos sinais de mudança, nomeadamente sobre os que são subscritos com os partidos que apoiam a solução governativa liderada pelo PS.

Se António Costa conseguir alcançar sucesso nestes desafios, sustentou o autarca de Lisboa, “nomeadamente na frente orçamental” isso terá como consequência um reforço da sua posição enquanto primeiro-ministro, permitindo-lhe entrar em 2016 “numa posição sólida” e mais capaz de enfrentar em abril o novo PR, “área onde a direita vai concentrar as suas atenções”, designadamente ao tentar provocar eleições o mais cedo possível.

Mas não será só com o futuro inquilino do Palácio de Belém, caso venha a ser eleita uma personalidade próxima da direita, que António Costa terá eventualmente que confrontar as suas ideias políticas e as soluções governativas que defende, lembrou ainda Fernando Medina.

A direita que viu o Parlamento encontrar uma solução alternativa de esquerda, recordou ainda o autarca de Lisboa, já deixou claro que irá cerrar fileiras sobre o argumento de “ilegitimidade política da solução encontrada pelos partidos da esquerda parlamentar”.

AUTOR

Rui Solano de Almeida

DATA

12.11.2015

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019