1103

06 Dez 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

UTAO
Direita deixa país em situação financeira complicada
AUTOR

Mary Rodrigues

DATA

04.12.2015

FOTOGRAFIA

Jorge Ferreira

Direita deixa país em situação financeira complicada

O Governo liderado por António Costa fará tudo com rigor para cumprir a meta do défice dos 3%, mas os desvios já previstos para dezembro dificultam muito a tarefa, evidenciando, mais uma vez, que a robustez financeira propagandeada pelo anterior executivo da direita é, na realidade, uma almofada frouxa.

 

Quem o revela é a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) que na sua mais recente nota da execução orçamental dá conta de que, só em novembro, o anterior Governo gastou 30% da almofada financeira total de 2015.

A designada almofada financeira corresponde ao montante que os executivos incluem nos orçamentos de cada ano para cobrir eventuais despesas excecionais não previstas.

Assim, e de acordo com a UTAO, até novembro foram gastos 629,8 milhões de euros das almofadas financeiras do ano em curso e este valor equivale a 67% dos 945,4 milhões inicialmente inscritos no Orçamento do Estado para 2015.

Mas a UTAO revela ainda que, nos primeiros dez meses deste ano, o Estado gastou 37% da almofada financeira e que só em novembro, o Governo de Passos Coelho e Paulo Portas gastou o equivalente a 30% do montante total.

Após estes dados terem sido conhecidos, o coordenador do PS na Comissão Parlamentar de Orçamento, João Paulo Correia, afirmou que o relatório da UTAO não é nada animador, acrescentando que tais números “deixam o país numa situação complicada”.

 

Governo dedica Conselho de Ministros às questões orçamentais

Entretanto, o Governo do PS irá dedicar uma reunião do Conselho de Ministros exclusivamente ao défice e às metas orçamentais, possivelmente já na próxima semana, adiantou a ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques.

A governante reiterou o compromisso que António Costa fez recentemente, na Assembleia da República: “O primeiro-ministro já manifestou a preocupação, a disposição e o compromisso de se empenhar para que as metas do défice sejam cumpridas, controlando a produção de receita e a realização de despesa até ao próximo orçamento”.

 

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019