805

17 Jul 2018

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Parlamento
Direita chumbou na educação
AUTOR

Mary Rodrigues

DATA

18.12.2015

FOTOGRAFIA

Jorge Ferreira

Direita chumbou na educação

“Quem reprovou na educação foi a direita”, afirmou o deputado socialista Porfírio Silva, durante o debate de atualidade sobre ‘rankings’ e políticas educativas, agendado em articulação pela ex-coligação CDS-PP/PSD.

 

Responsabilizando o anterior Governo e o Executivo de transição, “que nem sequer soube ser de gestão”, de piorar a situação do ensino em Portugal, até ao nível do primeiro ciclo, Porfírio Silva defendeu que “na educação, como em tudo o que é estruturante para o futuro do país, o tempo importa, a estabilidade conta”.

“Por isso precisamos de construir convergências alargadas”, nutrindo os debates com conhecimentos, estudo, investigação e concertação.

“As crianças e os jovens, as famílias, os profissionais, o país, merecem que as matérias educativas sejam poupadas à demagogia e ao populismo”, disse o deputado socialista denunciando “as simplificações abusivas”, quando falamos de educação, como “formas graves e condenáveis de demagogia”.

Segundo Porfírio Silva, falar de qualquer exame como uma panaceia e usar os ‘rankings’ nesse sentido poderá servir alguns interesses, mas certamente “não serve a educação nem o processo educativo”.

Mas, clarificou, “os rankings são úteis”, em especial quando elaborados com critérios que não excluam informações importantes sobre o ensino particular, como de resto não se permite no caso da escola pública.

Porfírio Silva considerou também que “facilitismo foi que o anterior Governo fez com o ensino artístico”, onde os pagamentos devidos pelo Estado estão atrasados, com consequências para o pagamento de salários e para a própria viabilidade das escolas.

Dirigindo-se ao secretário de Estado da Educação, o deputado socialista declarou que o PS saúda a visão de estabilidade que aqui nos trouxe”.

“A escola precisa de estabilidade”, concluiu.

 

Razão sairá do gabinete

Nesta mesma linha de pensamento esteve orientada a intervenção do secretário de Estado da Educação, João Costa, para quem os 'rankings' das escolas “são apenas um dado, não a verdade”.

“Só quem não sabe nada de educação, ou quem se habituou a fazer políticas educativas com base em opiniões não fundamentadas cientificamente é que pode achar que se podem extrair conclusões sólidas a partir de uma comparação entre amostras que não são comparáveis, a partir de dados completos da escola pública e de dados parcelares de escolas privadas”, disse o governante

E acrescentou que “a educação precisa de estabilidade, mas assente em consensos informados, não em opiniões vagas ou fáceis”, acrescentando que o Governo pretende tomar decisões com base na auscultação de parceiros e especialistas, ao contrário do que disse ser a prática dos antecessores no Ministério da Educação, para os quais “a razão vivia apenas num gabinete”.

AUTOR

Mary Rodrigues

DATA

18.12.2015

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1411
Maio 2018