970

24 Abr 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Segurança
Portugal reforça estrutura de combate ao terrorismo

Portugal reforça estrutura de combate ao terrorismo

Conforme António Costa tinha já anunciado aquando da recente visita do Presidente francês a Portugal, o Conselho de Ministros aprovou hoje nova regulamentação para a Unidade de Coordenação Antiterrorismo (UCAT), que passará a dispor com uma unidade especial que trabalhará em permanência e de modo reforçado.

 

A Unidade de Coordenação Antiterrorista, que integra elementos das secretas, Polícia Judiciária, Polícia de Segurança Pública, Guarda Nacional Republicana, Serviços de Estrangeiros e Fronteiras e Polícia Marítima, por decisão hoje tomada em Conselho de Ministros, vai passar a dispor de uma equipa que trabalhará em permanência e funcionará 24 horas, de “modo reforçado”, mantendo a liderança desta organização na tutela da secretária-geral do Sistema de Segurança Interna.

Com este decreto regulamentar hoje aprovado em Conselho de Ministros, o que se pretende, segundo a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, é “reforçar o apoio operacional” da UCAT, uma organização que já está no terreno e onde estão agregadas todas as forças e serviços de segurança.

Como sublinhou a governante na conferência de imprensa após o Conselho de Ministros, o reforço da Unidade de Coordenação Antiterrorismo, era uma das medidas previstas na Estratégia Nacional de Combate ao Terrorismo, iniciativa aprovada em 2015.

Com a nova regulamentação, esta estrutura passará a funcionar de “forma mais eficiente e permanente”, como garantiu a ministra da Administração Interna, ao contrário do que antes sucedia quando as reuniões deste organismo apenas tinham lugar uma vez por semana ou sempre que necessário para troca e partilha de informações.

Como salientou Constança Urbano de Sousa, o que se pretende com a criação de uma nova equipa que trabalhará de forma permanente no seio da UCAT, é “institucionalizar e dar corpo a uma estrutura que prossiga essa atividade”, mas de modo permanente, reforçando e com outro nível de capacitação, “não só ao nível da recolha e da partilha de informação, como também ao nível do acompanhamento de execução dos vários planos que existem em matéria de combate ao terrorismo”, explicou, por sua vez, a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem no final do Conselho de Ministros.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1412
Fevereiro 2019