886

14 Dez 2018

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Mobilidade e Transporte
Governo prepara Plano Nacional 2030 para enfrentar desafios do futuro
AUTOR

Mary Rodrigues

DATA

31.10.2016

FOTOGRAFIA

DR

Governo prepara Plano Nacional 2030 para enfrentar desafios do futuro

Para fazer frente aos desafios do futuro, o Governo está a preparar a elaboração de um Plano Nacional de Mobilidade e Transporte 2030. O anúncio foi feiro pelo ministro do Planeamento e das Infraestruturas, ao intervir na conferência da publicação “Transportes em Revista”, em Lisboa.

 

Pedro Marques adiantou que o plano “deverá traduzir uma visão holística de longo prazo para as infraestruturas e sistemas de transportes do país”, além de “suportar a preparação atempada do próximo quadro comunitário de apoio”.

E destacou o objetivo nuclear do plano: “Aproximar as pessoas, potenciar a economia, criar emprego e garantir um futuro sustentável”.

Para esse efeito, “2017 será um ano decisivo na conceção da mobilidade do futuro”.

“Faremos uma discussão alargada do plano, envolvendo os técnicos e as organizações do setor, para construir as respostas para os desafios das próximas décadas, referiu o governante.

Refira-se que o Plano Nacional de Mobilidade e Transporte 2030 tem como missão definir “uma estratégia de desenvolvimento e adaptação das infraestruturas e sistemas de transportes para responder às tendências e incertezas tecnológicas, sociológicas e ambientais, suscetíveis de afetar padrões de mobilidade”.

Os desafios em questão estão relacionados com o congestionamento, com a necessidade de redução da dependência do petróleo e das emissões, com a interoperabilidade das redes de transporte e com os avanços tecnológicos ao nível da automação e da mobilidade inteligente.

O ministro realçou que o plano tem uma natureza estratégica e estruturante com efeitos duradouros, pelo que será promovido o debate alargado de modo a que se obtenha “um amplo consenso nacional nos planos técnico, económico, social e político”.

“Queremos que este plano reúna o consenso de, pelo menos, dois terços dos deputados, assegurando assim a estabilidade na sua concretização, que não ficará assim sujeita à volatilidade dos ciclos políticos”, explicou.

AUTOR

Mary Rodrigues

DATA

31.10.2016

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1411
Maio 2018