785

19 Jun 2018

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Edite Estrela

Opinião

AUTOR

Hugo Costa

DATA

13.12.2016

TÓPICOS

Regulação nos serviços energéticos

As questões energéticas são estratégicas para o desenvolvimento e sustentabilidade dos territórios, seja na sua componente ambiental ou económica. 

 

O governo liderado pelo Partido Socialista (PS) percebeu a importância das questões energéticas e, no que tange a esta matéria, apresenta um trabalho que deve ser sublinhado.

A defesa dos consumidores mais vulneráveis constitui parte da matriz do PS nestas matérias. A Tarifa Social da eletricidade teve início pelas mãos socialistas, sendo que os automatismos criados pelo atual Governo (tendo como base o Orçamento do Estado de 2016) permitem que a mesma chegue a mais de 700 mil famílias, comparativamente às, apenas, 80 mil famílias que eram contempladas quando o atual Governo tomou posse. A tarifa social representa um desconto superior a 30% para esses consumidores. 

No Orçamento para o ano de 2017, foi igualmente possível algum avanço significativo, que passarei a destacar neste artigo, nomeadamente no que respeita à matéria de regulação do setor. 

O gás de botija e os combustíveis vão passar a ser regulados pela ERSE - Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos. Se no gás de botija, que ainda hoje serve 75% da população, não existe razão objetiva para que a baixa de preços, na casa dos 20% nos preços do Gás Natural, não tenha efeito no seu produto sucedâneo em botija, em relação aos combustíveis, existem fundadas dúvidas sobre os efeitos do mercado de concorrência no setor, o que foi, desde sempre, colocado em causa.

Em qualquer setor, não faz sentido a proliferação de entidades reguladoras. Efetivamente, espera-se que um regulador seja forte, independente e tenha a capacidade de evitar as tendências predatórias das empresas do setor. A ERSE já detinha a eletricidade e o gás natural nas suas responsabilidades. Com o acréscimo das novas responsabilidades, teremos a partir de agora um regulador mais forte e, dessa forma, a defesa dos consumidores e do tecido empresarial nacional está certamente assegurada.

AUTOR

Hugo Costa

DATA

13.12.2016

TÓPICOS
Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1411
Maio 2018