926

15 Fev 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Zona Euro
Socialistas europeus apresentam «New Deal»
AUTOR

PS

DATA

04.05.2015

FOTOGRAFIA

PE

Socialistas europeus apresentam «New Deal»

Maria João Rodrigues inicia esta segunda-feira, em Berlim, uma série de reuniões com os partidos socialistas europeus para discussão das propostas que fazem parte do relatório "New Deal", dos Socialistas e Democratas no Parlamento Europeu, com o objetivo de dar um novo rumo à zona euro, através de medidas de grande porte, tendo em vista reduzir as desigualdades entre Estados-membros no que respeita o acesso ao crédito para investir, a promoção de novos empregos e a sustentabilidade do Estado social.

 

Este documento, coordenado pela deputada portuguesa e vice-presidente para as áreas Económicas e Sociais da segunda maior força política no Parlamento Europeu, apresenta alternativas para o combate ao desemprego, para a modernização dos serviços públicos, para a atração de investimento privado, para o apoio às PME´s e para criação de um Eurogrupo social, com a participação dos ministros do Emprego e Assuntos Sociais, entre outras.

Este documento dos socialistas europeus é um contributo essencial para a discussão no próximo Conselho Europeu, que deverá adotar o relatório sobre a reforma da União Económica e Monetária (UEM), onde se vão confrontar posições distintas, representadas pelas diferentes forças políticas e também entre países credores e devedores.

Maria João Rodrigues explica que "apesar das dificuldades, conseguiu-se finalmente reconhecer que esta crise se deve sobretudo a grandes desequilíbrios que decorrem do próprio funcionamento da UEM, que se transformou numa máquina de produção de divergências". A vice-presidente socialista sublinha que "foi reconhecido que o principal problema de países como Portugal não é o da disciplina orçamental mas sim o reforço da competitividade, combinada com a melhoria de padrões sociais e ambientais". Apresentamos um compromisso segundo o qual os países terão que fazer o seu trabalho de reequilíbrio orçamental e de reformas mas, em compensação, tem que ser criados instrumentos europeus de proteção financeira, como a união bancária, com coordenação económica para o crescimento, garantindo que os standards sociais não continuarão a degradar-se”.

Já Carlos Zorrinho, líder da bancada do PS no PE, enaltece que "a aprovação deste documento estratégico evidencia que só os socialistas estão em condições de dar uma resposta estrutural à crise financeira que afeta a Zona Euro e Portugal, completando de forma rigorosa e solidária a UEM". O deputado socialista defende que "o Governo fez os portugueses pagarem a fatura da sua incompetência política e ausência de voz na Europa, com mais desemprego, mais pobreza, pior educação e pior saúde. A resposta necessária é uma resposta política forte e articulada no plano nacional e europeu. Hoje os socialistas deram um novo impulso para tornar possível o crescimento sustentável da Zona Euro e melhorar Portugal com a vitória do PS nas próximas eleições legislativas".

A posição adotada será agora discutida em várias capitais europeias para reunir os apoios políticos necessários para a concretização deste "New Deal" europeu. Neste sentido, Maria João Rodrigues estará hoje em Berlim a chefiar a delegação do Grupo S&D, para debater este assunto com a liderança da bancada do SPD do Bundestag.

 

ALGUMAS DAS NOVIDADES DO “NEW DEAL” APRESENTADAS PELO GRUPO S&D

  • Criação de um instrumento de apoio à convergência estrutural entre os países da Zona Euro (como por exemplo, programas de formação para desempregados de longa duração, modernização de serviços públicos ou investimento na inovação);
  • Completar a União Bancária para tornar o crédito acessível, por exemplo, a PME portuguesas, em condições equiparadas com as congéneres dos países no norte da Europa;
  • Coordenação macroeconómica de forma a possibilitar que os Estados-membros com superavits se abram às exportações de países com défices externos;
  • Completar a coordenação económica com uma coordenação social, que acione políticas de reequilíbrio sempre que o desemprego e a pobreza ultrapassem determinados limites, como acontece quando um país entra em processo de défice excessivo;
  • Criação de um Eurogrupo social, com a participação dos Ministros do Emprego e Assuntos Sociais;
  • Uma estratégia europeia para garantir a sustentabilidade das dívidas públicas, que combine a retoma do crescimento económico com a intervenção do Banco Central Europeu, reduzindo as taxas de juro melhorando a capacidade orçamental para apoio ao investimento.
Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1411
Maio 2018