990

24 Maio 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Contas públicas
Comissão Europeia vai reconhecendo realidade do país
AUTOR

Partido Socialista

DATA

28.03.2017

FOTOGRAFIA

dr

Comissão Europeia vai reconhecendo realidade do país

O Governo português assinalou ontem a aproximação gradual que a Comissão Europeia tem vindo a registar às contas públicas do país, nomeadamente em relação ao valor do défice, o que é evidenciado pela evolução das estimativas de Bruxelas.

 

Em comunicado, que se seguiu à divulgação do relatório de Bruxelas sobre a quinta missão pós-programa de ajustamento, o Ministério das Finanças frisa que esta última missão, que decorreu no final do passado, estimava um défice para 2016 de 2,3%, isto depois da terceira missão, em abril de 2016, ter projetado que se situaria em 3,4%.

Uma evolução nas estimativas de Bruxelas, que pode agora ficar atualizada com o défice efetivamente observado de 2,1%. “Fica, pois, clara a aproximação gradual da Comissão à realidade", assinala o gabinete de Mário Centeno.

Já em relação às projeções para 2017 - o Orçamento do Estado aponta para um défice de 1,6%, ao passo que Bruxelas estima um valor de 2% -, o Executivo português sugere, na mesma linha, que “as diferenças registadas no passado recente permitirão à Comissão atualizar as suas projeções para 2017”.

“A mesma conclusão se retira das estimativas para o crescimento económico. O crescimento em 2016, 1,4%, excede largamente a previsão efetuada em novembro passado, de 0,9%. Neste plano convirá realçar a importância do contributo do investimento privado para a aceleração a atividade: a formação bruta de capital fixo nas empresas não-financeiras cresceu 6,3% em 2016, face aos 1,7% registados em 2015”, reforça ainda o gabinete das Finanças.

Sobre os “desafios” ao setor financeiro português, ainda identificados pelo relatório de Bruxelas, o Executivo sublinha os passos decisivos que estão a ser dados para a sua resolução, até porque se trata de uma área que foi “descurada durante o programa de ajustamento”.

“Face ao legado recebido, o Governo atuou de forma decisiva em 2016 e, já no início de 2017, através, tanto de mudanças legislativas como de esforços desenvolvidos pelos atores do setor, para recuperar a competitividade. Os dois grandes desafios que permanecem no setor financeiro – níveis de crédito de cobrança duvidosa e venda do Novo Banco – merecem a atenção concertada e prioritária das autoridades portuguesas a concretizar muito brevemente”, concretiza o gabinete de Mário Centeno.

AUTOR

Partido Socialista

DATA

28.03.2017

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019