1045

16 Set 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Envelhecimento demográfico
Crescimento e modernização económica são a resposta aos desafios demográficos e sociais
AUTOR

Carla Alves

DATA

14.05.2015

FOTOGRAFIA

Jorge Ferreira

Crescimento e modernização económica são a resposta aos desafios demográficos e sociais

“Não é na redução dos direitos presentes e futuros de pensionistas que se encontra qualquer resposta aos desafios demográficos e sociais” que Portugal enfrenta, mas através da melhoria das condições de crescimento e modernização económica do país, defendeu ontem o deputado socialista Vieira da Silva numa declaração política no Parlamento.

 

O alerta do vice-presidente do Grupo Parlamentar do PS referia-se às previsões para Portugal resultantes do relatório sobre envelhecimento do ano 2015, que inclui projeções demográficas, económicas e financeiras para o período 2013/2060, aprovado esta terça-feira na reunião do ECOFIN.

Um cenário “dramático”, considerou Vieira da Silva, sublinhando que “no seio da UE Portugal distingue-se pelas piores razões” e que “se nada mudar viveremos uma pesada retração da nossa população global e da nossa população em idade ativa”.

“Em 20 anos perderemos 700 mil habitantes e, no final da projeção, seremos 8,2 milhões de pessoas vivendo em Portugal. Em 2060 teremos uma das mais baixas taxas de população em idade ativa e ela cairá mais de 10 pontos nas décadas futuras”, afirmou, atribuindo estes indicadores a uma consequência direta “da crise económica que marca a nossa vida coletiva há tempo demais”.

“De uma vez por todas, parece claro que caiu por terra a verdade sacrossanta dos propagandistas de várias causas: não é o sistema de pensões que ameaça o desempenho económico é a fragilidade da economia que debilita a qualidade da proteção dos mais idosos”, defendeu Vieira da Silva.

O dirigente nacional do PS salvaguardou, contudo, a necessidade de garantir no futuro a exigência no plano económico, financeiro e social, com as “necessárias correções de percurso”, a par da necessidade de “aprofundar a equidade na proteção social” e de “melhorar a qualidade de vida dos mais idosos, especialmente em termos de saúde”.

“O cenário demográfico que nos ameaça não pode ser uma inevitabilidade. Ele tem de ser contrariado mobilizando o conjunto da sociedade para melhorar as condições de crescimento e modernização económica”, exortou Vieira da Silva, lembrando que “há uma alternativa à resignação, há uma alternativa ao empobrecimento sem retorno” para a qual o PS mobilizará os portugueses.

 

 

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019