1066

15 Out 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Rabat
Proximidade entre Portugal e Marrocos decisiva para a estratégia comum
AUTOR

Partido Socialista

DATA

06.12.2017

FOTOGRAFIA

dr

Proximidade entre Portugal e Marrocos decisiva para a estratégia comum

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu ontem, em Rabat, o reforço de uma crescente proximidade e interdependência económica entre Portugal e Marrocos, como um fator estratégico para o futuro dos dois países, tanto no plano da segurança, como para as relações entre a Europa e África.

 

Intervindo na sessão de abertura do fórum empresarial luso-marroquino, à margem da 13ª Cimeira entre os dois países, que ontem se concluiu, António Costa acentuou, em primeiro lugar, o fator da proximidade geográfica.

“Para Portugal, Marrocos é o país onde começa a África. Para Marrocos, Portugal é o país onde começa a Europa. A capital mais próxima de Lisboa é Rabat”, referiu o líder do Governo português.

António Costa salientou, depois, a presença de mais de 300 empresas nacionais no mercado marroquino, que no seu conjunto geraram dois mil postos de trabalho e que se pretende vir a ser reforçada, sobretudo no que respeita a vários domínios em que a especialização das empresas portugueses poderá ser uma mais-valia para Marrocos.

Abordando alguns projetos de curto prazo, o primeiro-ministro referiu-se às perspetivas de arranque da construção de um cabo de ligação elétrica com 220 quilómetros entre Tavira e Tânger, no primeiro semestre de 2018, um projeto avaliado entre 500 e 700 milhões de euros.

“É um projeto essencial para a segurança energética dos dois países, mas é também importante do ponto de vista simbólico sobre a nossa proximidade em diferentes níveis", sustentou o líder do Executivo português.

António Costa efetuou uma visita de dois dias à capital de Marrocos, no âmbito da 13ª Cimeira Luso-marroquina, numa deslocação que visou reforçar os laços institucionais, políticos e de cooperação económica entre os dois países.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019