946

19 Mar 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

António Costa
Defender Schengen é preservar o espírito da unidade europeia

Defender Schengen é preservar o espírito da unidade europeia

O primeiro-ministro português e o seu homólogo esloveno, Miro Cerar, defenderam hoje, em conferência de Imprensa conjunta na capital da Eslovénia, a necessidade de se preservar e proteger o espaço de livre circulação na União Europeia, criticando aqueles que têm posto em causa o espaço Schengen, os mesmos, como recordaram, que em 2007 festejaram a abertura das suas fronteiras.

 

Numa visita oficial que hoje está a efetuar à Eslovénia, António Costa e Miro Cerar, depois de enaltecerem o tratado de Schengen e de manifestarem convergência de posições na necessidade de preservar e proteger o espaço de livre circulação na Europa, criticaram os que agora o põem em causa, lembrando “que são os mesmos” que em 2007 não só regatearam apoios, como festejaram com a abertura das suas fronteiras.

Lembrando que o espaço Schengen foi alargado precisamente entre 2007 e 2008, durante a presidência do Conselho Europeu da Alemanha, Portugal e Eslovénia, presidência que se voltará a repetir em 2021, António Costa e Miro Cerar foram unânimes em considerar que a presidência desse trio conseguiu na altura “grandes resultados”, recordando a aprovação do Tratado de Lisboa, e talvez até o “mais importante”, como concordaram, “para a vida e para o dia-a-dia dos cidadãos”, com o alargamento do espaço Schengen a países como a Eslovénia.

Para António Costa, é “absolutamente fundamental” que os países que hoje integram o espaço Schengen sejam capazes de recuperar “esse espírito de unidade tão celebrado em 2007”, dando a este propósito o exemplo de Portugal e da Eslovénia, que nem pelo facto de ambos estarem “geograficamente em zonas diferentes da União Europeia”, como sustentou o primeiro-ministro português, invalida que os dois países deixem de “partilhar valores idênticos”, como o da liberdade, que “é hoje tão importante como o era em 2007 e como o será em 2021”, ano em que o trio, Alemanha, Portugal e Eslovénia voltarão de novo a juntar-se para presidir ao Conselho da União Europeia.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1412
Fevereiro 2019