1069

18 Out 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Cultura
Apoio às artes aumenta para 72,5 ME
AUTOR

Mary Rodrigues

DATA

02.04.2018

FOTOGRAFIA

dr

Apoio às artes aumenta para 72,5 ME

O Governo socialista liderado por António Costa vai reforçar o financiamento do Programa de Apoio Sustentado, elevando a 72,5 milhões de euros o montante disponível até 2021, conforme anunciou o Ministério da Cultura.


Este reforço acompanha a estratégia de recuperação dos valores referenciais de 2009, meta com a qual o Executivo se comprometeu até ao final da legislatura.
O anúncio ministerial é feito após terem sido divulgados os resultados provisórios dos concursos plurianuais para as áreas do teatro, artes visuais e cruzamentos disciplinares, que garantiram financiamento a 87 entidades, nestes segmentos, e do anúncio das decisões finais nas áreas de dança, circo contemporâneo e artes de rua, que contemplaram 24 entidades, 21 delas ligadas à dança.
“Findo o período de audiência prévia a que os candidatos têm direito, e considerando as eventuais alterações daí procedentes, será aplicado o reforço anunciado de 1,5 milhões de euros, aos quais serão ainda alocados 500 mil euros do orçamento da DGArtes”, refere o comunicado do Ministério da Cultura, acrescentando que, desta forma, ficarão “disponíveis mais dois milhões de euros em cada ano, elevando para 72,5 milhões de euros as verbas para o novo ciclo de apoios que agora se inicia”.
O documento salienta ainda que este valor representa um aumento de 58% relativamente ao ciclo anterior, referente a 2013-2016.
Recorde-se que o Programa de Apoio Sustentado às Artes 2018-2021 – que financia grande parte da atividade artística em Portugal – abriu em outubro do ano passado, com um valor global de 64,5 milhões de euros, para apoiar modalidades de circo contemporâneo e artes de rua, dança, artes visuais, cruzamentos disciplinares, música e teatro.
O Ministério da Cultura admitiu 242 das 250 candidaturas apresentadas a este programa, para as seis áreas a concurso, de modo a alcançar “uma distribuição regional máxima de 45% para cada região” – Norte, Centro, Área Metropolitana de Lisboa, Alentejo e Algarve, assim como as regiões autónomas dos Açores e da Madeira, pela primeira vez incluídas nos concursos nacionais.
Em comunicado, a tutela da Cultura reafirma que “acompanha as preocupações do sector artístico” apela a uma “participação ativa na reflexão que agora se inicia para uma melhoria das condições de apoio à criação artística portuguesa”.

AUTOR

Mary Rodrigues

DATA

02.04.2018

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019