988

22 Maio 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Pedrógão Grande
Mais cinco milhões de euros para diversificar economia no Pinhal Interior

Mais cinco milhões de euros para diversificar economia no Pinhal Interior

Visando dar apoio a mais zonas de localização empresarial no Pinhal Interior, região afetada pelo grande incêndio de Pedrógão Grande, o Governo socialista liderado por António Costa vai alocar mais cinco milhões de euros. A notícia foi avançada pelo ministro do Planeamento e Infraestruturas.

 

Segundo Pedro Marques, já foram aprovados dez projetos de investimento para áreas de localização empresarial no Pinhal Interior, sendo que foi agora tomada a decisão de alocar mais cinco milhões de euros de modo a “apoiar pelo menos mais cinco zonas de localização empresarial noutros concelhos” daquela região.

Depois de visitar uma empresa de serração de Pedrógão Grande, que já está a laborar e que pretende duplicar os postos de trabalho, o governante explicou que esta medida se prende com a necessidade de “diversificar a atividade económica” no Pinhal Interior.

“Se as empresas responderam positivamente e têm vontade de investir neste território, nós vamos fazer a nossa parte, criando esta nova oportunidade de mais cinco milhões de euros para apoiar novas zonas de localização empresarial para corresponder a essa dinâmica que queremos que se mantenha no território”, afiançou.

De acordo com Pedro Marques, o Pinhal Interior "é um território que precisa de ter condições para atrair essas empresas de outros setores de atividade económica".

Face à grande procura que o Executivo tem registado por parte das empresas aos programas de reposição da atividade económica e de atração de novo investimento (cada um com 100 milhões de euros de dotação), o ministro referiu que a tutela terá de “arranjar mais recursos para apoiar mais projetos”.

A propósito do risco de empresas afetadas ficarem insolventes por terem parado a sua atividade por um longo período de tempo, Pedro Marques salientou que, “no essencial, as empresas que têm visto os seus projetos aprovados têm conseguido implementá-los e têm reposto atividade”.

Sobre a reconstrução de habitações, referiu ainda que “neste momento, está para assinatura por dias o despacho que permitirá executar aquela linha de crédito de dez milhões de euros, que não contará para o limite de endividamento das autarquias”.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019