1025

18 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Acordos bilaterais
Cooperação luso-angolana alargada
AUTOR

João Quintas

DATA

19.09.2018

FOTOGRAFIA

dr

Cooperação luso-angolana alargada

A visita do Primeiro-ministro a Angola saldou-se na assinatura de 11 acordos bilaterais em diversas áreas. A deslocação de António Costa ficou marcada pela “cooperação” e “grande convergência”.

 

O comunicado final conjunto sobre a visita de dois dias do chefe do Governo português destaca o Programa Estratégico de Cooperação 2018/2022, bem como a terceira adenda ao Programa Indicativo de Cooperação (PIC) 2007-2010, como matérias de acordo entre os dois países em termos de estratégia de cooperação.

 

Exportações e investimento

No que respeita a política fiscal, foi acordado eliminar a dupla tributação sobre os rendimentos e promover o combate à fraude e à evasão fiscal.

António Costa e o presidente de Angola, João Lourenço, concordaram, também, em realizar o quarto aditamento à convenção relativa à cobertura de riscos de créditos à exportação de bens e serviços de origem portuguesa para Angola, aumentando o limite de cobertura de 1.000 milhões para 1.500 milhões de euros.

Este acordo prevê que a verba só poderá ser disponibilizada mediante o preenchimento de algumas condições, designadamente, a garantia de bom pagamento e de transferência de Angola, o aumento da previsibilidade jurídica que enquadra as trocas entre os dois países e, ainda, a utilização das verbas da garantia para efeitos de apoio à diversificação da economia angolana, nomeadamente no domínio da reabilitação e construção de infraestruturas prioritárias para o desenvolvimento económico e social em Angola.

Reforçar a cooperação financeira e a confiança económica entre os dois países, assim como, a gestão da divida pública e da tesouraria angolana, foram outras matérias que se traduziram em acordo, tal como, aliás, quanto à promoção e proteção recíproca de investimentos.

De acordo com o mesmo comunicado, foi também definida a composição do Observatório dos Investimentos angolanos em Portugal e portugueses em Angola, criado em 2015.

Portugal e Angola comprometeram-se em fortalecer os fluxos bilaterais de comércio e de investimento entre os dois países, tendo também sido reconhecido as diligencias mais recentes efetuadas pelas autoridades angolanas com vista à regularização de pagamentos a empresas e a facilitar o acesso a divisas estrangeiras.

 

Agilizar ligações

No sentido facilitar as deslocações e aprofundar as relações entre os dois povos, foi feito um acordo com vista a aumentar a frequência dos voos semanais entre Lisboa e Luanda.

Os países reconheceram ainda a importância de reduzir os requisitos de processamento e emissão de vistos, designadamente através do protocolo bilateral sobre a facilitação de vistos, revela o comunicado.

 

Obras públicas, defesa e setor agrícola

Foram também conseguidos entendimentos bilaterais no domínio da agricultura e florestas, através do estabelecimento de um plano de ação para 2019/2021, assim como, no setor da construção e obras públicas, que se traduziu num acordo entre o ministério da Construção e Obras Públicas angolano e o ministério do Planeamento e das Infraestruturas português.

Foi ainda reconhecida e manifestada a intenção de reforçar a cooperação no domínio da Defesa, nomeadamente nas áreas da segurança marítima, hidrografia, cartografia, ciberdefesa e indústrias de defesa, assim como, o interesse em que as forças armadas dos dois países possam realizar missões de paz ou humanitárias conjuntas.

 

Convergência e prioridades

António Costa e João Lourenço tiveram, ainda, oportunidade de conferenciar sobre a situação política e socioeconómica de cada um dos países, bem como, de analisar as questões regionais e internacionais que interessam a Portugal e a Angola. Este encontro, de acordo com a nota conjunta, ficou marcado pela "grande convergência" dos pontos de vista dos lideres políticos.

Tratou-se de um "momento particularmente auspicioso do relacionamento político e económico" entre Angola e Portugal, é como o comunicado final conjunto classifica a visita de António Costa a Angola, sublinhando que existe o interesse comum em reforçar as relações e aprofundar a cooperação bilateral, com vista à "plena realização da parceria estratégica e privilegiada que está a ser estabelecida".

A nota conjunta destaca, ainda, que os dois países lusófonos reativaram a Comissão Ministerial Permanente, a qual, no domínio técnico, servirá para identificar prioridades, desenhar projetos e assegurar o acompanhamento da sua implementação, agregando os ministérios relevantes e contribuindo para melhorar o uso dos recursos disponíveis.

No sentido de consolidar a cooperação, os dois países pretendem realizar reuniões de "alto nível" pelo menos uma vez por ano, onde estarão também presentes todos os ministérios relevantes na cooperação bilateral.

 

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019