1026

19 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Organizações
PS avança com resolução para diminuir disparidades salariais
AUTOR

Partido Socialista

DATA

26.09.2018

FOTOGRAFIA

dr

PS avança com resolução para diminuir disparidades salariais

O Grupo Parlamentar do PS (GPPS) recomenda ao Governo a criação de mecanismos que introduzam um fator de proporcionalidade entre o maior e o menor salário dentro de uma organização, não com o objetivo de limitar os salários mais elevados, mas sim de aumentar os salários mais baixos e de forçar a uma mais justa redistribuição da riqueza gerada. Esta proposta deu ontem entrada na Assembleia da República, através de um projeto de resolução cujo primeiro subscritor é o líder parlamentar Carlos César.

 

“O âmago do problema não está apenas nos salários astronómicos dos gestores de topo de uma determinada organização, mas sim na diferença abismal para o ordenado mínimo ou médio dessas empresas e na brutal desigualdade salarial que essa comparação encerra”, referem os parlamentares no projeto.

O projeto de resolução recomenda ao Governo a divulgação estatística relativa ao salário mínimo, médio e máximo praticado em cada organização, bem como o estabelecimento – após consultados os parceiros sociais em sede de Conselho Económico e Social – de um mecanismo de limitação proporcional da disparidade salarial no interior de cada organização, pública ou privada.

O GPPS defende ainda a revisão das remunerações das empresas do setor público empresarial e a penalização das empresas privadas que não implementem esta limitação proporcional da disparidade salarial através de mecanismos como, por exemplo, o agravamento da sua contribuição para a Segurança Social ou impedindo o seu acesso a subsídios e apoios públicos à criação de emprego.

Os socialistas acrescentam que “Portugal tem assistido recentemente à aplicação de medidas que têm reforçado o poder de compra da maioria dos portugueses, redistribuindo melhor a riqueza gerada e estimulando o consumo interno que, por essa via, dinamiza a atividade económica (…) pelo que, se for assegurado um reforço equitativo do poder de compra pelas empresas, se torna possível estimular ainda mais o consumo interno e, por essa via, continuar a dinamizar a economia”.

AUTOR

Partido Socialista

DATA

26.09.2018

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019