949

22 Mar 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Greve dos enfermeiros
Direitos dos doentes serão garantidos
AUTOR

João Quintas

DATA

06.02.2019

FOTOGRAFIA

dr

Direitos dos doentes serão garantidos

O Governo tomará todas as medidas "legalmente adequadas" para proteger os direitos dos doentes. A garantia foi dada ontem por António Costa.

 

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou que irá recorrer a todas as medidas “legalmente adequadas” de modo a salvaguardar os direitos dos doentes. A declaração foi proferida à entrada das instalações da estação televisiva SIC, onde deu uma entrevista, em resposta à pergunta sobre a possibilidade de o Governo recorrer à requisição civil para travar os efeitos das greves cirúrgicas convocadas por sindicatos dos enfermeiros.

“Vamos aliás avançar com o diploma nesse sentido para concluir essas medidas. Quanto ao resto, estamos a avaliar qual é a situação e tomaremos todas as medidas legalmente adequadas para proteger os doentes e assegurar o bom funcionamento do Serviço Nacional de Saúde (SNS)”, disse.

António Costa lembrou que o Governo já aceitou “a criação de uma carreira com três categorias: Enfermeiro, enfermeiro especialista e enfermeiro gestor”, o que constituía a principal reivindicação dos enfermeiros.

Todavia, é "insustentável" do ponto de vista financeiro a reivindicação de que os enfermeiros tenham um vencimento de 1.600 euros logo na base inicial da respetiva carreira.

O primeiro-ministro sublinhou que o Governo não confunde “a vida dos enfermeiros e da sua indispensabilidade ao SNS com a posição de alguns dirigentes sindicais, ou da Ordem dos Enfermeiros”.

“Nem confundimos aqueles sindicatos que têm atuado de forma pacífica e legal exercendo o direito constitucional à greve com outros sindicatos que não têm respeitado a lei e que têm tido uma atitude de crueldade em relação aos doentes”, sublinhou.

 

Atuação da Ordem será objeto de queixa à Justiça

Já no âmbito da entrevista, o primeiro-ministro anunciou que o Governo irá apresentar uma queixa à justiça contra a Ordem dos Enfermeiros por violação da lei das ordens profissionais que "proíbe expressamente o desenvolvimento de qualquer tipo de atividade sindical".

No entender do líder do Governo, “manifestamente, a Ordem dos Enfermeiros, em particular a senhora bastonária [Ana Rita Cavaco], tem violado com essa atuação. Iremos comunicar às autoridades judiciárias aquilo que são os factos apurados e que do nosso ponto de vista configuram uma manifesta violação daquilo que são as proibições resultantes da lei das ordens profissionais", sublinhou.

"Queremos agir com a firmeza necessária, mas com a justiça devida. Chegámos ao limite daquilo que podíamos aceitar. Se for necessário, iremos utilizar esse instituto jurídico", afiançou António Costa.

Interpelado sobre o assunto à saída das instalações da estação, António Costa reafirmou a intenção de fazer uma "participação às autoridades judiciárias".

"É preciso não esquecer o seguinte: As ordens profissionais são associações públicas, a quem o Estado delegou, sob certas condições, competências para o exercício da regulação de atividades. Ora, a lei expressamente proíbe às ordens profissionais a prática ou a participação em qualquer tipo de atividade sindical", esclareceu António Costa.

Isto, porque, para o primeiro-ministro "são públicos e notórios" os factos "de uma participação ativa da senhora bastonária, em violação clara desta proibição, em que deve ser reposta a legalidade".

Essa queixa "tem de ser transmitida necessariamente ao Ministério Público que é o agente do Estado junto dos tribunais", disse António Costa.

AUTOR

João Quintas

DATA

06.02.2019

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1412
Fevereiro 2019