1102

05 Dez 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

opinião
António Costa nas Caldas da Rainha
AUTOR

Rui Calisto

DATA

16.04.2019

FOTOGRAFIA

dr

TÓPICOS

António Costa nas Caldas da Rainha

O primeiro-ministro e líder do Partido Socialista, António Costa, esteve no dia 10 de abril, nas Caldas da Rainha, na inauguração da nova unidade das Faianças Bordallo Pinheiro, a histórica empresa fundada por Rafael Bordallo Pinheiro a 30 de junho de 1884 (este, ficou responsável pelas configurações técnicos-artísticas e o seu irmão Feliciano pela estrutura financeira).

 

Naturalmente, estive presente no evento. Foram dois os motivos que me instigaram a aceitar o convite: O facto de ter um carinho imenso e muita admiração por aquela empresa, pois o meu avô materno, Rui Mateus, lá trabalhou como escultor entre os anos de 1910 e 1956; e, obviamente, por ser um camarada, e entusiasta, da política de António Costa.

Depois de uma detalhada visita às novas (e magníficas) instalações, o nosso primeiro-ministro, em seu discurso, soube, e muito bem, explanar alguns pontos relevantes acerca daquelas Faianças. Recordando-nos, inclusive, o facto de ter sido procurado por algumas pessoas, aquando da sua presidência na Câmara Municipal de Lisboa, para que, dentro das possibilidades que aquele cargo lhe permitia, ajudasse a evitar que a fábrica encerrasse portas (devido à crise que arrasou Portugal, e a Europa, a partir de 2008). Motivado pelo valor cultural e afetivo da empresa em risco, reuniu os recursos possíveis e apoiou diversas iniciativas que vieram a revelar-se fundamentais no reerguer da instituição caldense. O momento decisivo no alavancar da empresa acontece poucos meses depois quando, apesar da avassaladora recessão que vinha agindo com voracidade por toda a Europa e pelos cofres da Bordallo Pinheiro, o Grupo Visabeira (através da Vista Alegre) dá-lhe um voto de confiança e adquire-a.

Durante dez anos todos os esforços para a capitalizar foram feitos e, assim, chegamos a 2019 com esta grata surpresa: As Faianças Bordallo Pinheiro encetaram um projeto de modernização e ampliação para equilibrar a massa de criação e alargar o volume da sua lavra para o setor internacional.

Nesta nova etapa, a administração, ao mesmo tempo que assume o empenho em recuperar a totalidade da produção das peças originais – dando seguimento ao projeto inicial elaborado por Rafael Bordallo Pinheiro – aposta na singularidade, através da aceitação de designers atuais, possibilitando que novas criações surjam e elevem, mais ainda, aquela notável marca.

O espaço-fábrica atingiu os 12 mil metros quadrados de área, permitindo aumentar os postos de trabalho de 170 para 270. Com a ampliação, a previsão de venda internacional é de 75%, chegando a mercados distantes tais como Japão, Estados Unidos, França, Itália, Reino Unido, Espanha, Holanda e Suécia.

Um dos projetos futuros - e um passo importante para a recuperação da sua própria história - será a total remodelação da loja existente nas antigas instalações situadas na Rua Rafael Bordalo Pinheiro, bem como a ampliação e restruturação da Casa Museu San Raphael, existente nesse mesmo local.

Nove milhões de Euros foi o valor investido nas instalações agora inauguradas e, sobre isso, disse-nos António Costa: “Quando se investe num valor seguro, como é a marca Bordallo e os seus produtos, podemos ter confiança de que esse investimento vence seguramente qualquer ciclo económico”.

Longa vida à Bordallo Pinheiro!

AUTOR

Rui Calisto

DATA

16.04.2019

TÓPICOS
Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019