1069

18 Out 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Feira de Santarém
António Costa enaltece “belíssimo momento” da agricultura nacional

António Costa enaltece “belíssimo momento” da agricultura nacional

O primeiro-ministro visitou este domingo a Feira Nacional da Agricultura, em Santarém, onde expressou um “grande agradecimento” aos agricultores e destacou o “belíssimo momento” da agricultura nacional.

 

“Neste local simbólico que é Feira Nacional da Agricultura, quero expressar o grande agradecimento pelo trabalho a que os agricultores se dedicam”, sobretudo se considerarmos que a agricultura é uma “atividade muito dura, sujeita a muitas incertezas, do clima, de mercados, de contingências políticas, à escala global e nacional, de muito risco, mas que conta com gente muito rija pronta a fazer avançar a nossa agricultura e o país”, declarou o primeiro-ministro durante a visita realizada este domingo à Feira Nacional da Agricultura, em Santarém.

Para António Costa, este evento é uma “excelente mostra do grande trabalho” que os agricultores portugueses têm vindo a realizar e traduz o “belíssimo momento” da agricultura nacional “nas suas frentes mais diversas”, assumindo-se hoje como “um dos setores muito relevantes” da economia portuguesa, afirmou.

O primeiro-ministro salientou a importância que a agricultura tem na economia nacional e destacou a aposta renovada que tem vindo a ser feita no setor nos últimos anos.

“Todos nos lembramos de como há umas décadas se teve a ilusão de que era possível prescindir da agricultura” e de que havia quem defendesse que “já não havia mais lugar para a agricultura”. Porém, graças à aposta política do Governo, “felizmente agora todos têm a consciência de que valeu a pena apostar na agricultura e de que a agricultura tem futuro”, quer no domínio económico, quer no quadro do combate às alterações climáticas, da prevenção dos incêndios e do turismo.

O líder do Executivo sublinhou o potencial que a agricultura encerra enquanto fator de atratividade e valorização turísticas.

“Quando ontem tivemos, felizmente, uma série de prémios na área do turismo, estes não se devem só à qualidade da gastronomia, à simpatia das nossas gentes, ao turismo urbano, mas também à paisagem que nós temos e que é desenhada pela agricultura”, disse António Costa.

 

Jovens agricultores

No âmbito da visita à Feira Nacional da Agricultura, o primeiro-ministro constatou a diversidade de produtos agroalimentares e de maquinaria, o que reflete a evolução registada no setor. A presença de muitos jovens agricultores no certame também foi notada pelo líder socialista.

Nota-se, hoje, a presença de “muita gente jovem, que já não olha para a agricultura como algo de que querem fugir, mas, pelo contrário, com interesse”, salientou.

Referindo que a edição deste ano da iniciativa é dedicada ao vinho, o primeiro-ministro sublinhou que o setor vinícola tem vindo, nos últimos anos, a melhorar a qualidade dos vinhos produzidos e a bater recordes na exportação, ultrapassando, pela primeira vez, a fasquia dos 800 milhões de euros.

Acompanhado pelo ministro da Agricultura, Floresta e Desenvolvimento Rural, Capoulas Santos, o primeiro-ministro salientou que este sucesso deve-se à conciliação entre “a experiência adquirida e o saber” dos nossos viticultores.

 

Barragem do Pisão

O primeiro-ministro referiu-se, ainda, ao processo de construção da barragem do Pisão, na freguesia do Crato, distrito de Portalegre, considerando que o projeto constitui uma “grande oportunidade” para combater a desertificação e promover o desenvolvimento na região.

Portalegre é “o distrito que ao longo das últimas décadas mais sofreu com o despovoamento, que mais empobreceu”, pelo que a construção da barragem do Pisão é “uma grande oportunidade, através de um investimento público de muita qualidade, de poder ter uma transformação muito significativa do seu futuro”, afirmou.

O projeto tem “um poder transformador enorme em todo o Alto Alentejo, à dimensão que o Alqueva teve no Baixo Alentejo”, salientou o chefe do Executivo.

A conciliação do uso agrícola, do abastecimento de água e da produção de energia constitui uma “equação que dá sustentabilidade a um projeto desta natureza”, defendeu António Costa.

 

 

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019