1069

18 Out 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Cabul
António Costa visitou militares portugueses no Afeganistão
AUTOR

João Quintas

DATA

17.12.2018

FOTOGRAFIA

DR

António Costa visitou militares portugueses no Afeganistão

O primeiro-ministro, António Costa, esteve este domingo com os militares portugueses em Cabul, Afeganistão.

 

“É uma missão particularmente difícil, que nós não ignoramos, e peço-vos que nunca ignorem que é de elevado risco e onde a ameaça é efetiva, permanente e surge no momento inesperado”, sublinhou o primeiro-Ministro, António Costa, dirigindo-se aos militares portugueses com quem almoçou este domingo na capital afegã.

António Costa apelou aos elementos do contingente português para salvaguardarem a sua segurança, pois “o inimigo pode estar onde nós menos esperamos”, disse o chefe do Governo, que expressou o desejo de que os militares regressem a Portugal apenas com “boas histórias para contar”.

Nesta visita aos 148 militares da Força de Reação Rápida que se encontram no Afeganistão desde novembro, o líder socialista referiu que “não há uma única missão em que não digam que os soldados portugueses são do melhor”, enalteceu.

António Costa reafirmou o compromisso de Portugal em participar em missões internacionais, nomeadamente, enquanto membro da ONU, NATO e da União Europeia.

“Para estarmos seguros, temos de projetar a segurança e é por isso que Portugal tem feito questão de participar ativamente nas missões internacionais”, afirmou.

Após o almoço com os militares portugueses, o primeiro-ministro visitou o quartel-general da missão Resolute Support, onde se reuniu com o comandante da missão da NATO, o general norte-americano Scott Miller.

No final do encontro, o chefe do Governo português sublinhou que “o esforço que os militares estão a fazer” é muito valorizado pelos parceiros desta missão e que Portugal irá continuar a cumprir com zelo as suas “obrigações internacionais no quadro da defesa coletiva”.

O primeiro-ministro, que também foi recebido pelo representante civil da NATO, referiu que a ameaça terrorista é global, mas é também e “cada vez mais uma ameaça interna e em regra exige um grande trabalho de inclusão social”, porque, defende, “é na exclusão que têm estado a causa de muita radicalização que se tem desenvolvido no interior da própria Europa”, sublinhou António Costa.

Nesta deslocação a Cabul, o primeiro-ministro fez-se acompanhar pelo ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, e pelo Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, almirante Silva Ribeiro.

 

 

 

 

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019