1102

05 Dez 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

CONSELHO DE MINISTROS
Atualização extraordinária das pensões em 2019
AUTOR

João Quintas

DATA

21.12.2018

FOTOGRAFIA

DR

Atualização extraordinária das pensões em 2019

O aumento extraordinário das pensões mais baixas, a fixação do salário mínimo em 600 euros e a recuperação do tempo de serviço dos professores foram algumas das medidas aprovadas pelo Governo.

 

O Conselho de Ministros, reunido ontem, em Lisboa, aprovou um aumento extraordinário das pensões até 1,5 Indexantes de Apoios Sociais (IAS), o que significa um aumento de 10 euros, já em janeiro, para as pensões até 653,6 euros. Para as pensões que foram atualizadas entre 2011 e 2015, o aumento será de seis euros.

“Esta medida irá abranger cerca de um milhão e 600 mil pensionistas e terá um valor anual de cerca de 85 milhões de euros”, esclareceu o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José António Vieira da Silva, após a reunião do Governo.

Este novo aumento das pensões garante, segundo o ministro, “que todos os pensionistas que tenham valores de pensão inferiores a 655 euros terão, no conjunto, uma atualização de 10 euros e em função de terem tido ou não a sua pensão atualizada durante os anos de ajustamento económico”, referiu Vieira da Silva.

O governante salientou, ainda que, “se a atualização ordinária já garantia uma valorização real das pensões acima da inflação, a atualização extraordinária será ainda mais significativa”, sublinhou o ministro.

 

Salário mínimo de 600 euros

O Conselho de Ministros aprovou o diploma que estabelece o aumento da Retribuição Mínima Mensal Garantida (RMMG) para os 600 euros, a partir do dia 1 de janeiro de 2019.

A medida, que irá beneficiar mais de 750 mil trabalhadores, enquadra-se na trajetória de revalorização da RMMG inscrita no programa do Governo e que se tem traduziu, na prática, no aumento do salário mínimo de 505 para 530 euros em 2016, e posteriormente para 557 euros em 2017, tendo verificado um novo aumento para os 580 euros em 2018. Ou seja, ao longo da atual legislatura, a RMMG regista um aumento de 505 para 600 euros, o que constitui um contributo importante para, conforme refere a nota do Conselho de Ministros, “devolver dignidade e valor ao trabalho e para melhorar os níveis de coesão social, sem com isso comprometer a sustentabilidade da economia portuguesa e sem por em causa o crescimento do emprego e a redução do desemprego”.

 

Professores recuperam tempo de serviço

“Dois anos, nove meses e 18 dias”. Este é o tempo reconhecido e que será contabilizado aos docentes no momento da progressão ao escalão seguinte das suas carreiras.

A decisão foi assumida pelo Conselho de Ministros, o que permitirá que os professores progridam ao próximo escalão após a entrada em vigor do decreto-lei ontem aprovado.

A aprovação deste diploma, que surge após um “longo e aturado processo negocial”, pretende “não prejudicar os docentes” face ao “impasse” que resultou da falta de acordo no processo negocial nesta matéria, afirmou o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues.

Para o ministro da Educação, este tempo recuperado aos docentes corresponde ao “limite do esforço financeiro que o país pode fazer”, por forma a garantir “a sustentabilidade das contas públicas”, declarou Brandão Rodrigues.

A medida aplica-se aos docentes de carreira dos estabelecimentos públicos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, na dependência do Ministério da Educação, cuja contagem do tempo de serviço esteve congelada entre 2011 e 2017.

 

 

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019