1069

18 Out 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Motoristas
Eleições não deveriam ser estímulo para greves
AUTOR

Rui Solano de Almeida

DATA

25.07.2019

FOTOGRAFIA

dr

Eleições não deveriam ser estímulo para greves

As eleições em caso algum “devem servir de estímulo para que se façam greves”, defendeu o ministro Pedro Nuno Santos, reagindo à posição assumida pelo advogado do Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas que, numa reunião sindical, sustentou que era “preciso aproveitar o ano de eleições para dar força ao protesto”.

 

Os atos eleitorais têm de ser sempre encarados como “momentos fundamentais na vida democrática de um país”, defendeu o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, e não um pretexto para serem aproveitados quando se “decide fazer uma contestação ou uma greve”.

 

Governo tudo fará para minimizar impacto na vida dos portugueses

Garantindo que o Governo está a trabalhar e a preparar-se da melhor forma para que o impacto negativo da greve seja o “menor possível na vida dos portugueses” caso a paralisação anunciada pelo Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas se concretize no dia 12 de agosto, Pedro Nuno Santos não deixou, contudo, de mencionar que o Executivo está atento e confiante que o diferendo entre as duas partes, Sindicato e a associação das empresas transportadoras (ANTRAM) se “consiga resolver”, manifestando “toda a abertura” do Governo para ajudar a que “as partes se entendam e cheguem a um consenso”.

 

Serviços mínimos terão dimensão “satisfatória”

Segundo o ministro, seria importante que “não se perdesse o que já se alcançou” em anteriores negociações, quando ficou decidido que os motoristas terão um aumento “muito significativo” de cerca de 300 euros já a partir do próximo mês de janeiro de 2020, deixando a garantia de que os serviços mínimos impostos legalmente, caso a greve venha mesmo a concretizar-se, “terão uma dimensão satisfatória”.

Quanto à eventualidade de o Governo poder ou não decretar a requisição civil em todo o país destes e de outros motoristas que eventualmente venham a aderir à greve, Pedro Nuno Santos foi cauteloso sobre esta matéria, limitando-se a sublinhar que o Executivo “se está a preparar e que nos momentos certos se saberá”, deixando, contudo, a certeza de que o Governo “intervirá nesta como em outras áreas”, já que o Estado, como defendeu, “deve sempre assumir as suas responsabilidades”.

 

 

AUTOR

Rui Solano de Almeida

DATA

25.07.2019

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019