1069

18 Out 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Novas estações
Expansão do Metro de Lisboa traduz “grande investimento” na mobilidade urbana
AUTOR

Partido Socialista

DATA

09.01.2019

FOTOGRAFIA

dr

Expansão do Metro de Lisboa traduz “grande investimento” na mobilidade urbana

O primeiro-ministro, António Costa, congratulou-se esta terça-feira pelo “grande investimento” na mobilidade urbana, durante o lançamento do concurso para o prolongamento das linhas Verde e Amarela do metropolitano de Lisboa, considerando que a mobilidade é uma aposta determinante, na capital e no país, para a coesão territorial.

 

António Costa falava no auditório da estação de metro do Alto dos Moinhos, onde decorreu a cerimónia de lançamento do concurso para a construção das novas estações na Estrela e em Santos, que representam um investimento de 210 milhões de euros até 2023, estimando-se que as obras tenham início durante o ano de 2019.

“É com grande satisfação que esta semana testemunho que a mobilidade é prioridade em todas as suas dimensões”, começou por referir na sua intervenção, lembrando o lançamento do concurso para a compra de 22 novos comboios para a CP, e o acordo para o alargamento da capacidade aeroportuária de Lisboa.

“E hoje aqui estou a testemunhar o grande investimento na mobilidade urbana”, acrescentou, depois de o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, ter também apontado a mobilidade como uma aposta prioritária para o desenvolvimento da coesão territorial.

“É importante para o rendimento disponível das famílias e esse é um dos desafios que o país irá ter pela frente”, assinalou o líder do Governo, sublinhando também a necessidade de as empresas serem “competitivas para a fixação da população” e para a capacidade de poderem suportar “mais e melhores salários”, frisando o contributo que está a ser dado, para que esses objetivos possam ser alcançados, pelas administrações central e local.

Acompanhado pelo ministro do Ambiente e da Transição Energética e pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, o primeiro-ministro deslocou-se para a cerimónia no metropolitano de Lisboa, fazendo a viagem entre as estações de Baixa-Chiado e do Alto dos Moinhos, onde decorreu a sessão de lançamento.

 

Novas estações da Estrela e Santos

A obra de construção das novas estações vai ter três fontes de financiamento: 83 milhões comparticipados pelo POSEUR – Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos, uma parte pelo Fundo Ambiental e outra com recursos próprios do metropolitano, através da alienação de um terreno em Sete Rios.

A futura estação da Estrela ficará localizada ao cimo da Calçada da Estrela, na extremidade Sul do Jardim da Estrela, enquanto a estação de Santos irá situar-se a poente do quarteirão definido pela Av. D. Carlos I, Rua das Francesinhas, Rua dos Industriais e Travessa do Pasteleiro, com alinhamento entre as instalações do ISEG e o Largo da Esperança.

A estação do Cais do Sodré vai ser igualmente remodelada, estando também previstas intervenções nos viadutos do Campo Grande para ligar as linhas Verde e Amarela.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019