1069

18 Out 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

CLIMA
Governo garante acompanhamento dos efeitos da seca
AUTOR

João Quintas

DATA

21.03.2019

FOTOGRAFIA

dr

Governo garante acompanhamento dos efeitos da seca

O Governo deu instruções para “pré-contratar camiões-cisterna” precavendo qualquer necessidade de garantir o abastecimento às populações, no caso de agravamento dos efeitos da seca, anunciou ontem o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes.

 

“Já foram dadas instruções para pré-contratar camiões-cisterna para o caso de ser necessário, sobretudo em pequenos aglomerados, que são abastecidos a partir de águas subterrâneas, ter esse mesmo serviço disponível em caso de necessidade”, revelou esta quarta-feira o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes.

Isto, apesar de não se afigurar num horizonte próximo "problemas graves no reabastecimento de água para o consumo humano" e de para já não se justificar que “seja decretada” qualquer "medida de contingência”, informou o governante.

Neste momento, "sem previsão de problemas graves, não se aplicam medidas de contingência", declarou Matos Fernandes no final da reunião da Comissão Permanente de Prevenção, Monitorização e Acompanhamento dos Efeitos da Seca, que teve lugar ontem, em Lisboa.

De acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), mais de metade do território do continente está em seca moderada (38% em seca fraca e 5% em seca severa), todavia, segundo Matos Fernandes, "não há comparação entre os valores registados hoje e em 2017", acrescentando que a "obrigação de poupar água" e de a usar de forma racional é uma responsabilidade de todos os cidadãos.

Matos Fernandes reafirmou que o Governo está empenhado em garantir a reutilização das águas tratadas em 50 das principais estações de tratamento de águas residuais (ETAR) do país.

Nesse sentido, esta sexta-feira, por ocasião do Dia Mundial da Água, o Governo vai anunciar o quadro legislativo que permitirá que, em 2025, 20% da água tratada nestas estações passe a ser usada em fins não-potáveis, tais como na rega de espaços verdes e na lavagem de vias públicas.

Por seu lado, o ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, referiu que apesar de 2019 estar a ser um ano “anormalmente seco e quente”, é ainda possível “garantir a normalidade do ano agrícola” na maioria do território nacional, exceto em zonas como o perímetro da barragem alentejana da Vigia e na zona de Campilhas-Alto Sado, que terão limitações no uso de água para regadio.

A Comissão Permanente de Prevenção, Monitorização e Acompanhamento dos Efeitos da Seca, criada através de resolução do Conselho de Ministros, em 2017, é coordenada pelos ministros do Ambiente e da Agricultura e conta com representantes das áreas das Finanças, Administração Interna, Administração Local, Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Saúde, Economia e do Mar.

Esta comissão tem como objetivos principais proceder à aprovação e acompanhamento da implementação do Plano de Prevenção, Monitorização e Contingência para Situações de Seca e definir as orientações de caráter político no âmbito do fenómeno climático adverso da seca.

AUTOR

João Quintas

DATA

21.03.2019

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019