1069

18 Out 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

CARBONO ZERO
Governo reafirma objetivo de atingir neutralidade carbónica em 2050
AUTOR

João Quintas

DATA

15.01.2019

FOTOGRAFIA

dr

Governo reafirma objetivo de atingir neutralidade carbónica em 2050

A neutralidade carbónica em Portugal em 2050 "é exequível, cria emprego, riqueza e promove investimento”, afirma o ministro João Pedro Matos Fernandes.

 

O ministro do Ambiente e da Transição Energética reafirma que é possível, e desejável, alcançar a neutralidade carbónica em Portugal até 2050, mas, para isso, é necessário reduzir em 85% as emissões de gases com efeito de estufa e aumentar em 25% a capacidade de sequestro de carbono.

“Não há como negar. As consequências das alterações climáticas são do presente e em Portugal provocam secas prolongadas e o avanço do mar, bem como, aumentam o risco de incêndio e de ocorrências de cheias súbitas”, evidenciou Matos Fernandes, ontem, durante a sua intervenção na sessão comemorativa do Dia da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP).

Para o ministro, a neutralidade carbónica constitui "um projeto de enorme ambição” que implica mudanças de comportamento e deve ser assumido como um compromisso coletivo assente numa liderança política determinada e numa participação ativa da sociedade.

Neste quadro, o titular da pasta do Ambiente e da Transição Energética defende que todos os agentes e setores terão de contribuir com a sua parte, nomeadamente nos domínios dos resíduos, indústria, agricultura e edifícios, sendo que as maiores mudanças terão que ocorrer nas áreas da energia e dos transportes.

Perspetivando as alterações exigíveis para o setor energético, João Matos Fernandes salientou que, em 2050, toda a eletricidade terá de ser gerada a partir de fontes renováveis, sendo que, em 2030, já atingirá os 80%. Quanto à evolução nos transportes, o ministro estima que em 2050 toda a mobilidade terrestre seja “coletiva, suave, partilhada e movida a eletricidade ou hidrogénio”, e que, em 2030, um terço dela seja já elétrica.

“No presente, Portugal importa 75% da energia que consome, em 2030 reduziremos essa dependência energética para 65% e em 2050 para 17%”, avançou o governante.

Por seu lado, no domínio petrolífero, João Pedro Matos Fernandes prevê que a importação do número de barris de petróleo por ano diminua dos atuais 70 milhões para apenas 10 milhões em 2050, o que permitirá obter “consequências positivas de enorme dimensão” na balança comercial, considera o ministro.

Segundo Matos Fernandes, é obrigatório que Portugal tenha uma floresta mais adaptada ao território e mais resistente ao fogo, por forma a reduzir para metade a média da área florestal ardida por ano em Portugal.

AUTOR

João Quintas

DATA

15.01.2019

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019