1070

21 Out 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

“Mudança de políticas no país valeu mesmo a pena”
O PS provou estar à altura da confiança dos portugueses

O PS provou estar à altura da confiança dos portugueses

O Secretário-geral socialista foi ontem a Leiria garantir que está ultrapassada a fase difícil de há quatro anos, quando muitos portugueses manifestaram um sentimento de algum receio em relação à mudança de políticas que era proposta para o país. Hoje sabem, como garantiu, que “podem votar no PS com toda a confiança e convicção”.

 

António Costa participou ontem num grande comício em Leiria, lembrando que, quatro anos depois da campanha eleitoral para as legislativas de 2015, numa altura em que parte importante do eleitorado, como recordou, demonstrava ter algum receio e muitas dúvidas em votar no PS, os portugueses “podem agora fazê-lo com confiança”.

Segundo o Secretário-geral do PS, a intranquilidade que minava a sociedade e retirava aos portugueses a esperança de um futuro melhor, está hoje completamente ultrapassada e devidamente corrigida graças às “profundas mudanças” políticas, económicas e sociais que o Governo do PS, apoiado parlamentarmente pelos partidos à sua esquerda, foi capaz de introduzir no quotidiano das famílias e das empresas.

Ninguém tem dúvidas, defendeu António Costa, de que quatro anos depois há algo que os portugueses sabem: “vivemos hoje todos melhor em Portugal”, não restando a ninguém qualquer dúvida, como acrescentou, que as mudanças protagonizadas pelo Governo do PS “valeram mesmo a pena”.

Mais à frente na sua intervenção, o líder socialista enalteceu a escolha do partido por apresentar nestas eleições à Assembleia da República o nome de Raúl de Castro, atual presidente da Câmara Municipal, como cabeça de lista pelo circulo eleitoral de Leiria, um “cidadão independente”, como referiu António Costa, o que é mais um orgulho e uma “honra” para o PS.

Com efeito, como adiantou, a escolha de um independente como cabeça de lista não conflitua, bem pelo contrário, com o “orgulho” que o partido sempre teve e mantém “nos nossos militantes”, lembrando a este propósito que desde a sua fundação “o PS tem no seu ADN, e no legado que nos deixou Mário Soares, que nunca se faz nada sozinho”.

Para António Costa, é à luz deste princípio e com este espírito que o PS pretende continuar a manter a lealdade aos princípios que sempre foram os seus de um partido aberto aos outros, que procura “consensos e construir pontes”, unindo “vontades e mobilizando energias”.

 

Grande mobilização para “dar força ao PS”

O líder socialista apelou ainda a uma “grande mobilização” da parte dos militantes e simpatizantes socialistas para que “passem a palavra” de que é necessário “dar força ao PS” nestas eleições legislativas, para que a mudança que se iniciou há quatro anos possa continuar, prosseguindo com as “boas políticas que deram tão bons resultados”, sustentando a tese de que quanto mais força o PS tiver mais fácil será continuar a crescer economicamente, a combater as desigualdades e a “encontrar novas e renovadas soluções para criar mais empregos e melhores serviços públicos”.

Lembrando que também já foi cabeça de lista por Leiria e que quando chegou ao Governo “alguns dos problemas continuavam por resolver”, referindo, a propósito, a sempre anunciada obra de eletrificação da Linha do Oeste ou a abertura da Base Aérea de Monte Real ao tráfego civil, António Costa afirmou que estas são obras que agora têm mesmo que avançar, destacando ainda o caso do Politécnico de Leiria como “um exemplo para todo o país”, também por “ser o primeiro a atribuir o grau de doutor”.

 

 

 

 

 

 

 

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019