1085

12 Nov 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Destruição dos serviços públicos
Desinvestimento no SNS aumenta despesa das famílias
AUTOR

Rui Solano de Almeida

DATA

28.07.2015

FOTOGRAFIA

PS

Desinvestimento no SNS aumenta despesa das famílias

Segundo o INE, em 2014, as famílias já suportam quase 28% do total do dinheiro gasto em saúde. A causa próxima é o progressivo desinvestimento no Serviço Nacional de Saúde (SNS) que está a conduzir a uma degradação das condições de funcionamento com impacto sensível na oferta de cuidados de saúde.

 

Esta é a opinião de Adalberto Campos Fernandes, especialista em política de saúde pública, que justifica este cenário com as dificuldades que os portugueses estão a sentir em aceder a um médico de família, mas também na restrição no acesso a meios complementares de diagnóstico, de que são exemplo as colonoscopias, exemplos que “forçaram grande parte dos portugueses a procurar respostas fora do SNS”.

Nestes últimos quatro anos, realça o especialista, “assistimos à criação de um SNS mínimo, cujo resultado mais visível está nas restrições de acesso ao serviço público e no crescimento sem precedentes do sector privado”.

Quanto ao facto de a despesa corrente em saúde, por parte das famílias, ter vindo a sofrer variações ao longo desta legislatura, Adalberto Campos Fernandes não tem dúvidas de que tal se deve ao facto de a despesa corrente estar a ser influenciada por fatores não recorrentes, como por exemplo, a regularização de pagamentos.

Em termos práticos, acrescenta, a “linha de tendência foi mantida” sendo o facto mais relevante a “crescente transferência de encargos diretos para as famílias” colocando Portugal, no conjunto dos países que integram a União Europeia, como aquele que “mais desequilíbrios gerou na relação financeira entre Estado e cidadãos”.

Ao chegarmos ao fim deste ciclo político, salienta ainda Adalberto Campos Fernandes, fica clara a “inexistência de uma qualquer agenda reformista”, sendo que o balanço se traduz apenas por “um conjunto esparso de medidas” que contribuíram para a saída dos melhores profissionais do SNS, “destruindo desse modo a sua reputação e, consequentemente, transferindo recursos para o sector privado”.

Tal decorre, claramente, de “uma agenda política marcada pela desvalorização dos serviços públicos e pela criação objetiva de fatores de desigualdade no acesso que são cada vez mais evidentes”.

AUTOR

Rui Solano de Almeida

DATA

28.07.2015

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019