1103

06 Dez 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

António Costa reuniu-se com os socialistas europeus
PS está em melhores condições de oferecer solução estável de Governo
AUTOR

J. C. C. B.

DATA

16.10.2015

FOTOGRAFIA

PES

PS está em melhores condições de oferecer solução estável de Governo

António Costa reafirmou ontem, em Bruxelas, que o PS está atualmente “em melhores condições do que a coligação PSD/CDS para oferecer uma solução estável de Governo ao país”.

 

O Secretário-geral do PS, que falava aos jornalistas, em Bruxelas, no final de uma reunião do Partido Socialista Europeu, salientou que, entre os seus congéneres europeus, “toda a gente achou normal” e “até saudável” a solução de um compromisso à esquerda como aquela que tem vindo a procurar em Portugal, já que é importante um “suporte maioritário” na Assembleia da República.

“O PSD, como é sabido, é a força política que tem maior número de deputados. Compete-lhe em primeiro lugar criar condições de governabilidade”, disse, acrescentando que “até agora tem sido incapaz de fazer qualquer proposta que permita melhorar as condições de governabilidade”.

Reiterando que os socialistas só votarão moções de rejeição “havendo a garantia de formação de um governo alternativo”, António Costa disse que, “para que isso aconteça”, tem estado a desenvolver contactos com PCP, Bloco de Esquerda, Verdes e PAN, contactos esses “que têm vindo a decorrer de uma forma positiva”.

Neste momento, sustentou, “aparentemente estamos em melhores condições do que a coligação para oferecer uma solução estável de Governo ao país, e a estabilidade é um valor importante, um suporte maioritário na assembleia é uma condição importante”.

 

Schulz deseja que Costa seja PM

Presente também na reunião de Bruxelas, o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, declarou aos jornalistas ser “absolutamente normal que o líder de um partido de esquerda tente encontrar aliados à esquerda”.

Ressalvando que não cabe ao presidente do Parlamento Europeu intervir na vida política portuguesa”, afirmou desejar que “o meu amigo António Costa seja primeiro-ministro”. “Acho que isso é compreensível”, sublinhou.

 

AUTOR

J. C. C. B.

DATA

16.10.2015

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019