988

22 Maio 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Cimeira Humanitária
Portugal defende compromissos firmes na ajuda aos refugiados
AUTOR

Mary Rodrigues

DATA

24.05.2016

FOTOGRAFIA

DR

Portugal defende compromissos firmes na ajuda aos refugiados

Se a Turquia incumprir o compromisso de acolhimento de refugiados, todo o acordo com a União Europeia estará em crise e a situação dramática que já se vive será agravada. Em Istambul, capital turca, durante a Cimeira Humanitária Mundial, o primeiro-ministro português e o antigo alto-comissário da ONU para os Refugiados apelaram ao honrar de compromissos pelas partes.

 

Segundo o líder do Governo de Lisboa, a fixação dos refugiados na Alemanha constitui um mau sinal sobre o estado da Europa.

Confrontado com a ameaça da Turquia de romper o acordo com a UE para o controlo do fluxo de refugiados, na sua maioria deslocados devido às guerras na Síria e Iraque, António Costa disse esperar que tal acabe por não acontecer.

"Esse acordo é de facto muito complexo, contendo uma série de equilíbrios e pressupostos", referiu, o primeiro-ministro.

Sobre o processo de colocação de refugiados em Portugal, reconheceu a existência de dificuldades, parte das quais de tipo burocrático, aludindo também ao facto de uma grande maioria de refugiados pretender entrar na Alemanha e não em outros países da União Europeia, como Portugal.

"Também importa respeitar a escolha das pessoas. É natural que quem vem para a Europa prefira escolher imediatamente um país que dê perspetivas de maior crescimento económico e maior facilidade de obtenção de emprego”, explicou, para de seguida lembrar que “a Alemanha é hoje o país que representa o sonho de futuro para muito dos que acorrem à Europa”.

Aliás, “é um mau sinal do estado em que a Europa se encontra esta visão de que só a Alemanha é promissora de prosperidade”, advogou.

Em relação ao processo de colocação de refugiados no nosso país, António Costa salientou que, nesta crise, “Portugal tem procurado valorizar educação, sobretudo o Ensino Superior”.

 

Portugal é exemplo muito positivo

Por sua vez, ex-alto comissário António Guterres advertiu que a Cimeira Humanitária Mundial tem de assumir com urgência compromissos firmes na ajuda aos refugiados.

“O mundo está a assistir a uma multiplicação de situações humanitárias dramáticas, quer por causa de conflitos, quer em consequência de catástrofes naturais. Por todas estas razões, é essencial que haja um despertar de consciências e que os diferentes Estados possam fazer ofertas firmes de diversos tipos de ajuda, designadamente ajudas financeiras às vítimas e aos países que as apoiam na linha da frente, caso dos vizinhos da Síria e da Somália”, declarou.

E classificou também como essencial que os países se disponham a receber a reinstalar mais refugiados, que exista “uma maior solidariedade” e que haja a partir de agora capacidade de se assumir “uma responsabilidade coletiva em relação às trágicas situações que estamos vivendo”.

Neste contexto, o também candidato a secretário-geral das Nações Unidas deixou um elogio à atuação do Governo português em matéria de refugiados.

“É para mim muito reconfortante ver que Portugal tem tomado nesta cimeira uma atitude muito positiva e que essa atitude tem sido confirmada na prática pelas decisões tomadas no sentido de serem recebidos mais refugiados”, finalizou.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019