1086

13 Nov 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Nenhum facto sobre Pedrógão ficará por esclarecer
É chocante o debate estatístico em torno de uma tragédia nacional
AUTOR

Partido Socialista

DATA

24.07.2017

FOTOGRAFIA

DR

É chocante o debate estatístico em torno de uma tragédia nacional

O primeiro-ministro, António Costa, reagiu hoje ao debate que tem vindo a ser esgrimido na praça pública em torno do número de vítimas mortais do incêndio de Pedrógão Grande, considerando que é “chocante” a discussão sobre critérios estatísticos em torno de uma tragédia desta dimensão, reafirmando, uma vez mais, que nada ficará por esclarecer.

 

“Seria intolerável, perante o drama que vivemos em Pedrógão, que houvesse qualquer facto que ficasse por apurar ou qualquer dúvida que subsistisse. Tudo deve ser esclarecido o mais pronta e seguramente. É por isso que as autoridades estão a trabalhar, para apurar e esclarecer aquilo que todos nós temos direito a saber”, afirmou o chefe do Governo, em Lisboa, à margem de uma iniciativa oficial.

O primeiro-ministro manifestou mesmo sentir-se chocado com o debate em torno dos critérios estatísticos para contabilizar o número de mortos que resultaram do incêndio que afetou a região centro do país, sublinhando que a “dimensão da tragédia” não é menor em função do número de vítimas mortais.

António Costa fez ainda questão de sublinhar que são as “autoridades técnicas”, e não o Governo, quem define o apuramento oficial do número de vítimas, acrescentando que de acordo com a informação de que dispõe todas as aldeias da região atingida foram vistas, casa a casa, pelas autoridades, não tendo sido “identificada mais nenhuma situação”, da mesma forma que também a lista dos potenciais desaparecidos na altura do incêndio foi “exaustivamente verificada”.

Contudo, apelou a quem possa ter conhecimento de mais vítimas no incêndio que comunique essa informação às autoridades competentes. “Se alguém tem conhecimento de um maior número de vítimas deve, obviamente, comunicar imediatamente esse facto à Polícia Judiciária e ao Ministério Público”, afirmou.

“A dimensão desta tragédia não era menor se tivesse sido metade o número de pessoas que faleceram”, deixou ainda claro.

 

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019