806

18 Jul 2018

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

António Costa destacou ano de sucessos para o país
Portugal olha para 2018 com renovada confiança e uma nova visão europeia

Portugal olha para 2018 com renovada confiança e uma nova visão europeia

O ano de 2017 tem sido “particularmente saboroso” para Portugal considerou ontem, em Bruxelas, o primeiro-ministro, perante dezenas de funcionários portugueses que trabalham nas instituições europeias, dando como exemplo dos vários sucessos alcançados pelo país a recente eleição de Mário Centeno para a presidência da Eurogrupo.

 

Pegando neste exemplo da eleição do ministro português das Finanças para a liderança do Eurogrupo, António Costa achou oportuno garantir, perante as muitas dezenas de funcionários portugueses presentes nesta receção natalícia oferecida pela representação permanente de Portugal junto da União Europeia, que se outro benefício o país não obtiver com esta escolha, há pelo menos a garantia, como acrescentou, de que o novo presidente do Eurogrupo “não terá uma visão idêntica” à que o atual presidente tinha sobre os países do sul da Europa.

Mais a sério, e pondo de lado a ironia, o primeiro-ministro recordou que se estão a celebrar 10 anos sobre a assinatura do Tratado de Lisboa, fazendo também questão de enaltecer as presidências portuguesas da União Europeia, presidências que para António Costa se revestiram de momentos “marcantes” para a Europa, sustentando que o que tem permitido a Portugal “afirmar-se junto dos seus parceiros europeus”, apesar das diferenças que existem com muitos Estados-membros, quer em relação à dimensão económica, quer política, “é nunca se ter conformado na sua posição e ter sempre percebido que tem de ser particularmente ativo”.

Tem sido aliás o resultado desta postura e desta forma de estar na Europa, segundo o primeiro-ministro, que justifica que ao longo destes trinta e um anos, Portugal tenha já visto eleger e reeleger um português para a presidência da Comissão, ou os comissários António Vitorino e o atual Carlos Moedas, cujo trabalho, salientou António Costa, é largamente reconhecido por todos pela “excelência do seu desempenho”. 

 

Mudam-se os tempos

Insistindo que 2017 tem sido um ano “particularmente saboroso” para Portugal, o primeiro-ministro recordou como o cenário mudou ao longo dos últimos 12 meses, quando há um ano, num evento semelhante em Bruxelas, “estávamos aqui todos, apesar de tudo, já a celebrar não nos terem sido aplicadas sanções, mas ainda na dúvida se o país conseguiria ou não sair do procedimento por défice excessivo”.

Hoje, realçou António Costa, é claro para todos que Portugal e os portugueses olham para 2018 já “sem receio de sanções ou de novas discussões sobre décimas nominais ou estruturais” para o procedimento de défice excessivo, encarando mesmo com “normalidade” que o seu ministro das Finanças seja eleito para a presidência do Eurogrupo, uma mudança que para o primeiro-ministro “não é de somenos”, e tem de significar, como garantiu, que “algo de novo está a acontecer na Europa”.  

O primeiro-ministro, António Costa, foi mais conclusivo sobre este ponto, ao ter afirmado que “há hoje uma nova vontade” por parte dos países da União Europeia de “seguirem todos em conjunto”, depois de anos muito difíceis em que “muitas divisões existiram entre os diferentes países europeus”.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1411
Maio 2018