1102

05 Dez 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Greve dos Enfermeiros
Normalidade reposta em todos os hospitais
AUTOR

Partido Socialista

DATA

21.02.2019

FOTOGRAFIA

dr

Normalidade reposta em todos os hospitais

O Governo assinalou, na quarta-feira, a retoma da atividade normal nos blocos operatórios em todos os dez hospitais onde decorre a “greve cirúrgica” dos enfermeiros, incluindo nos quatro centros hospitalares onde o cumprimento de serviços mínimos não estava a ser observado.

 

A reposição da situação de normalidade, de que dá conta nota do Ministério da Saúde, surge depois da iniciativa do Governo em decretar a requisição civil, para fazer face ao incumprimento de serviços mínimos em alguns centros hospitalares, o que estava a colocar em risco o superior interesse dos doentes, e depois da Procuradoria-Geral da República ter confirmado a ilicitude da greve, ancorando a posição do Governo e conduzindo à suspensão da paralisação por parte de uma das associações sindicais dos enfermeiros - a ASPE.

 

Desrespeito dos serviços mínimos afetou 450 cirurgias e 9 casos oncológicos

Relativamente à contestação da requisição civil, por parte de outra das estruturas sindicais dos enfermeiros, o Sindepor, o Governo justificou, na argumentação enviada ao Supremo Tribunal Administrativo (STA), que os serviços mínimos foram desrespeitados em cerca de 450 cirurgias em quatro centros hospitalares, incluindo nove casos de intervenções a doentes oncológicos em risco de vida ou em situações muito graves.

Estas ocorrências de incumprimento do que fora determinado pelo tribunal arbitral verificaram-se nos Centros Hospitalares de Entre o Douro e Vouga, Tondela-Viseu, São João e Porto, precisamente as quatro instituições que vieram a ser abrangidas pela requisição civil, justificando a iniciativa do Governo.

Cai também por terra a argumentação do Sindepor, de que os centros hospitalares teriam aproveitado para realizar mais operações e assim levar “propositadamente” ao incumprimento da determinação do tribunal arbitral, quando os serviços mínimos não foram sequer observados, inviabilizando as intervenções já agendadas.

Na sua argumentação, o Governo refere que a requisição civil foi autorizada pelo Conselho de Ministros e decretada pela ministra da Saúde, com “pleno fundamento legal na ordem jurídica portuguesa”, correspondendo a uma medida administrativa “necessária para, em circunstâncias particularmente graves, se assegurar o regular funcionamento de serviços essenciais de interesse público”, chamando ainda a atenção para a “manifesta ilicitude” com que o Sindepor e os seus representados vêm exercendo o direito à greve, “de forma sucessiva e continuada”.

AUTOR

Partido Socialista

DATA

21.02.2019

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019