1069

18 Out 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Venezuela
Prioridade é garantir a segurança da comunidade portuguesa
AUTOR

Rui Solano de Almeida

DATA

01.02.2019

FOTOGRAFIA

dr

Prioridade é garantir a segurança da comunidade portuguesa

A “primeira prioridade do Governo é preservar a segurança dos portugueses que vivem na Venezuela”, garantiu o primeiro-ministro, sublinhando que acompanha há dois anos “de forma permanente” o que se passa naquele país da América Latina.

 

Falando à margem da visita que hoje de manhã efetuou ao laboratório de rios de Montanha, instalado em Mogadouro, no distrito de Bragança, o primeiro-ministro referiu-se ao momento que atravessa a Venezuela, garantindo que tem estado muito atento ao evoluir da situação política e social naquele país, recebendo permanentemente notícias atualizadas, quer através das “permanências consulares”, quer pelas “idas constantes” do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas àquele país da América Latina.

Reafirmando que a prioridade do Governo “é a segurança da comunidade portuguesa”, António Costa disse esperar que a “normalidade democrática” volte rapidamente e de forma sustentada à Venezuela com a realização em breve de novas eleições, deixando a certeza de que o Governo português age em relação a todo este caso “concertado com a União Europeia”, porque esta é, como salientou, a estratégia mais adequada para se “lidar com o regime de Nicolás Maduro”.

O primeiro-ministro referiu ainda que o Governo português está já a trabalhar com vários governos europeus e com países da América Latina, de forma a assegurar todo o apoio técnico necessário e a garantia de que haverá “total isenção e imparcialidade” na realização de novas eleições, garantindo, contudo, caso a situação se venha eventualmente a descontrolar, que o Governo ativará de imediato o seu plano de contingência que está “articulado com a comunidade portuguesa no território”, e cujos canais estão todos estabelecidos e já “devidamente organizados e articulados”, também com os países vizinhos na região”.

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019