1069

18 Out 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Estatuto magistrados
Proposta do Governo garante autonomia do Ministério Público
AUTOR

Partido Socialista

DATA

20.12.2018

FOTOGRAFIA

DR

Proposta do Governo garante autonomia do Ministério Público

O primeiro-ministro, António Costa, reafirmou ontem que a proposta de lei que o Governo apresentou sobre o estatuto dos magistrados do Ministério Público traduz uma plena garantia da sua autonomia, sublinhando que na mesma “não há qualquer alteração à composição do Conselho Superior do Ministério Público”.

 

“A garantia da autonomia do ministério público é não só uma garantia constitucional como uma garantia que tem também tradução na legislação ordinária”, frisou.

“E um desses fatores de garantia da autonomia do ministério público”, explicitou, “é que o órgão de direção e disciplina dos magistrados do ministério público tem uma composição que não ameaça a autonomia de uma magistratura que”, ao contrário da magistratura judicial, como sublinhou, “é uma magistratura hierarquizada, e que, no topo dessa hierarquia, se encontra uma personalidade que é nomeada, por escolha do Governo, pelo senhor Presidente da República”.

Segundo o primeiro-ministro, “é esse enquadramento próprio da natureza da magistratura do ministério público, o processo de designação da magistratura do ministério público, o facto de ser uma magistratura hierarquizada, que tem justificado ao longo dos anos que a composição desse conselho seja distinta da composição do Conselho Superior da Magistratura”, vincando ainda António Costa que a magistratura judicial, comparativamente com a do ministério público, “não é meramente autónoma, mas independente”.

O primeiro-ministro comentou ainda a posição da procuradora-geral da República, Lucília Gago, sobre eventuais alterações na composição do Conselho Superior do Ministério Público, como é proposto pela direção do PSD, afirmando que tal posição “faz seguramente parte do debate democrático”.

“Não creio que a função de procurador-geral da República retire à personalidade que a exerce a oportunidade e a possibilidade de participar no debate democrático”, disse António Costa.

 

 

AUTOR

Partido Socialista

DATA

20.12.2018

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019