1069

18 Out 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Saúde
PS repudia “hipocrisia política” do CDS
AUTOR

Catarina Correia

DATA

29.03.2019

FOTOGRAFIA

jorge ferreira

PS repudia “hipocrisia política” do CDS

O deputado do PS António Sales deixou, no Parlamento, duras críticas ao CDS-PP, que agendou na quinta-feira uma interpelação ao Governo sobre saúde. “O CDS limita-se a exibir sem pudor a sua tendência para explorar títulos de jornais e, com desfaçatez, distanciar-se das suas responsabilidades passadas”, atacou.

 

“Com a aproximação da data das eleições, o frenesim demagógico e eleiçoeiro do CDS cresce todos os dias”, denegrindo todas as ações do Executivo sem nunca apresentar alternativas nem propostas. “Estéril demagogia e eleitoralismo despropositado”, comentou.

António Sales recordou que “a recente e interesseira preocupação do CDS com o Serviço Nacional de Saúde (SNS) levou a sua líder, há duas semanas, num pretenso mimetismo simétrico do primeiro-ministro a fazer um périplo pelo Serviço Nacional de Saúde, para evidenciar apenas os seus problemas e fragilidades”.

Assunção Cristas chegou a dizer que o “SNS estaria mesmo a morrer por culpa deste Governo! Mas a líder do CDS atrasou-se quatro anos”, frisou o parlamentar, que garantiu que se “não fosse a intervenção deste Governo teríamos mesmo declarado o óbito”.

Segundo António Sales, o debate de hoje revela “má consciência de quem cortou recursos humanos, financiamento, encerrou serviços de urgência, deslocalizou despesa pública para os privados e deixou o SNS na penúria”. E ainda revela “miopia política de quem não viu – e continua a não ver –, após 2015, o aumento de profissionais, o reforço de financiamento, a redução de taxas moderadoras e o reforço da centralidade e da capacidade do Serviço Nacional de Saúde”.

 

CDS perdeu o combate porque Portugal está melhor

O deputado do PS explicou depois que o CDS se refugia na temática da saúde, “porque perdeu todos os outros combates políticos que considerou essenciais”, entre eles o do desemprego, “porque baixámos fortemente o desemprego”; o do défice, “porque conduzimos as finanças públicas ao equilíbrio”; e o da economia, “porque melhorámos o crescimento económico”.

António Sales acusou ainda o CDS de ser um “pseudoconvertido ao Serviço Nacional de Saúde com uma agenda oculta, de hipocrisia política, cujo objetivo é acabar com o SNS”.

“De um partido responsável e que se diz com aspirações a liderar o Governo de Portugal espera-se muito mais do que demagogia infrene e eleitoralismo desbragado”, asseverou.

 

Velhos do Restelo nunca contribuíram para resolver qualquer problema

No seguimento do pensamento do deputado António Sales, Luís Graça lembrou quando a líder do CDS “foi a Leiria tentar politizar a demissão do presidente do Conselho de Administração, que, sublinhe-se, declarou em sede parlamentar que se tratava de uma demissão por razões pessoais”. Ora, na opinião do socialista, Assunção Cristas podia ter aproveitado esta deslocação para, por exemplo, ver a remodelação global dos hospitais de Pombal e de Alcobaça.

A líder centrista foi também ao hospital Amadora-Sintra e ao Centro Hospitalar de Lisboa Central “falar de falta de recursos humanos”, o que só pode ser “falta de memória”, tendo a deputada feito parte de um Governo de direita que reduziu em 2.850 trabalhadores o número de profissionais no SNS.

Já “em Setúbal, o líder parlamentar do CDS foi reclamar as obras do serviço de urgência geral que este Governo reconfigurou e dotou de financiamento, coisa que o Governo que o CDS integrou não deixou garantido”, denunciou.

Luís Graça deixou uma mensagem aos “velhos do Restelo”: “Nunca contribuíram para a resolução de qualquer constrangimento ou problema; os velhos do Restelo nunca conseguiram demonstrar qualquer capacidade para inovar e melhorar; os velhos do Restelo nunca conseguiram mobilizar os portugueses e o país”.

AUTOR

Catarina Correia

DATA

29.03.2019

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019