1069

18 Out 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Partido Socialista
Vitória nas europeias representa mais responsabilidade e ambição
AUTOR

João Quintas

DATA

31.05.2019

FOTOGRAFIA

Jorge Ferreira

Vitória nas europeias representa mais responsabilidade e ambição

António Costa considera que a vitória nas eleições europeias confere ao PS uma “responsabilidade acrescida”. Temos de continuar a trabalhar “para responder às necessidades que os cidadãos sentem”, disse ontem o Secretário-geral do PS.

 

O Secretário-geral do Partido Socialista, António Costa, disse ontem à noite, na reunião da Comissão Política Nacional do PS, que teve lugar na sede nacional, em Lisboa, que a vitória nas eleições europeias realizadas no passado dia 26 de maio não foi um “cheque em branco” dos portugueses, mas antes uma “responsabilidade acrescida” para o PS.

"Acho que temos boas razões para estarmos confiantes, reconhecidos pela confiança que nos foi renovada, mas perceber bem que essa confiança que nos foi renovada não foi um cheque em branco. Foi mesmo uma responsabilidade acrescida que nós temos para concluirmos nesta legislatura o trabalho que ainda temos em curso, para responder às necessidades que os cidadãos sentem e de preparar com qualidade a próxima legislatura", disse o líder socialista.

Na sua intervenção, António Costa salientou que a credibilidade e o capital de confiança dos portugueses no PS devem-se ao trabalho competente e à seriedade dos compromissos apresentados ao país.

"Se hoje nos podemos orgulhar de podermos dizer que cumprimos tudo o que prometemos, é porque nos preparámos bem para saber o que podíamos prometer e estávamos em condições de cumprir. Essa confiança tem um valor imenso, não podemos abdicar dela e, na próxima legislatura, temos de voltar a provar que é possível", disse.

 

Agir e corrigir problemas nos serviços públicos

Apesar do sucesso das políticas do PS e dos avanços que o país alcançou, o Secretário-geral socialista pretende manter a exigência até ao final da legislatura porque "o trabalho não está acabado" e existem problemas urgentes a resolver.

“Fora do âmbito legislativo, há um conjunto de responsabilidades que não podemos deixar de assumir como prioritárias, dando respostas a um conjunto de serviços cujo funcionamento deficiente não é aceitável. Temos de agir de forma a corrigir, seja nos transportes públicos, seja no Serviço Nacional de Saúde, seja quanto à prestação de serviços básicos como a emissão de cartões de cidadão e passaportes", disse António Costa.

Já no quadro legislativo, o líder socialista referiu que existem diplomas importantes que estão pendentes na Assembleia da República, nomeadamente as leis de bases da Saúde e da Habitação, o Programa Nacional de Infraestruturas e o “conjunto da legislação laboral essencial para combater a precariedade", sublinhou.

 

 

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019